Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 17 de junho de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Clube árabe não cede, e Cuca diz que permanece no São Paulo

3 Ago 2004 - 08h02
O técnico Cuca vai continuar no São Paulo. Nesta segunda-feira à noite, ele foi avisado por seu procurador, James Arruda, que o Al Helal, da Arábia Saudita, não aceitou as exigências para sua saída.

Para deixar o Morumbi, Cuca pediu, entre outras coisas, US$ 600 mil adiantados da proposta de US$ 1,45 milhão por um ano de contrato. Além disso, ele queria levar um auxiliar técnico, um preparador físico e um de goleiros.

"Eu vou ficar no São Paulo. Não chegamos a um acordo em diversos pontos. Fico feliz porque estou no melhor clube do Brasil", afirmou Cuca à Folha de S.Paulo.

"O dinheiro, eu ganho mais para a frente", acredita o treinador, que não terá aumento.

Desde que recebeu a oferta dos árabes, Cuca deixou claro que só sairia por razões financeiras. Por um ano de contrato, receberia cerca de cinco vezes o salário que ganha no São Paulo --R$ 80 mil mensais. Mas, nos últimos dias, o entusiasmo do técnico começou a diminuir. Cuca ficou desanimado ao saber que seis outros técnicos brasileiros haviam recusado o convite do Al Helal.

Entre eles, Emerson Leão, que alegou não sentir segurança de ir para o Oriente Médio.

Isso também pesou para o treinador, que se mudaria com toda a família para Riad, capital saudita.

Antes mesmo do anúncio oficial, alguns dirigentes são-paulinos ouvidos pela Folha de S.Paulo acreditavam que o técnico iria declinar da proposta dos árabes.

Em Porto Alegre, Cuca se reuniu com o vice de futebol, Juvenal Juvêncio, que já tentava demovê-lo da idéia de sair do clube.

"Eu disse ao Cuca que ele começou a ser técnico de futebol no São Paulo. No Goiás e sei lá onde, ele era apenas uma expectativa", afirmou Juvêncio.

Nesta segunda, na chegada da delegação à capital paulista, o dirigente disse que só esperaria pelo técnico até o meio-dia desta terça-feira.

E ainda, como forma de pressionar Cuca, anunciou que, caso ele não aceitasse permanecer no Morumbi, já tinha até um substituto.

No entanto Juvêncio fez questão de excluir de uma eventual lista os nomes de Leão e Muricy Ramalho, que dividiam a preferência de conselheiros e dirigentes para ocupar o cargo.

A diretoria são-paulina afirma que o episódio não enfraquece o técnico no clube. "Não há opção melhor do que o Cuca para o São Paulo. Ele é bem visto pela diretoria, pelo conselho e pela torcida", disse o diretor de planejamento do clube, João Paulo Jesus Lopes.

Mesmo assim, a permanência do treinador desagradou a uma parte dos conselheiros, que ficaram insatisfeitos com a forma como foi conduzido o episódio.

Alguns até chegaram a pedir a demissão de Cuca por acharem que ele desrespeitou o São Paulo.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO CRUEL
O massacre do menino Rhuan e o silêncio da grande mídia
FAMOSIDADES
Homem discute com mulher e mata bebê de quatro meses
SOLIDARIEDADE
Bebê nasce sem os olhos e mobiliza cidade do Paraná
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Pai mata filho de quatro anos e se mata por não aceitar fim do relacionamento
ASSASSINATO
Marido da deputada é morto a tiros
MULHER DO PRESIDENTE
Esposa de Jair Bolsonaro cai na internet, fotos íntimas são exibidas e todos ficam sem acreditar
DOURADOS - MANIFESTAÇÕES
Dono da Havan manda 'recado' a manifestantes após protesto em frente a loja de Dourados
VENENOSA
Agricultor é picado por cobra jararaca
FORÇA DE VONTADE
Advogado que pedia emprego na rua é contratado e ganha pós-graduação
CASO DE POLÍCIA
Filho mata a mãe e rouba seu cartão para comprar cocaína