Menu
SADER_FULL
domingo, 25 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Classe média encolheu de 50% para 36% em 21 anos

19 Ago 2004 - 14h25

Um estudo realizado pela Unicamp sobre a distribuição de renda nas principais metrópoles brasileiras - tendo como comparação os anos de 1981 e 2002 - mostra que, além da queda nos rendimentos, o País ficou parado em termos econômicos, causando reflexos ruins na sociedade, como o desemprego.

A pesquisa "Brasil: Estagnação e Crise" mostra que, em 1981, pessoas com rendimento entre R$ 1.000,00 a R$ 2.500,00 representavam metade da população. Em 2002, o número caiu para 36%. Por outro lado, a pesquisa mostra que, no pior nível de rendimentos - abaixo de R$ 500,00 - o crescimento foi de 30,5% para 35,9%, passando de 36 milhões de pessoas em 1981 para mais de 61 milhões em 2002.

Caso as proporções de 1981 tivessem se mantido em 2002, a população de classe média atingiria 73 milhões de pessoas, ao contrário dos 61,9 milhões verificados. "Se esta proporção tivesse se mantido, teríamos 11 milhões a mais de pessoas na classe média. Como 11 milhões deixaram de participar dessa camada, encontramos uma parcela crescente de desclassificados", disse o pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit) da Unicamp, Waldir Quadros.

Waldir atribui a este descompasso uma série de fatores vindos desde o final da década de setenta. Segundo ele, essa crise social se originou da estagnação econômica a partir deste período, o que ocorre até hoje. "O País ficou cada vez mais envolvido pela ciranda financeira, sendo que o ciclo atual é o de estagnação", falou.

Desemprego mais alto

O desemprego cresceu nos segmentos de trabalhadores com maior nível de escolaridade. O estudo verificou que caiu a participação de pessoas desocupadas que possuíam até o primeiro grau em 1981 e 2002. Por outro lado, aumentou a proporção de desempregados, em particular com 2º grau completo. Dos desocupados com rendimento familiar acima de R$ 5.000,00 em 2002, 72% possuíam o 3º grau. No entanto, esta participação era menor em 1981, onde 41,66% dos desocupados tinham o 3º grau.

Mas a pesquisa retrata que o grande impacto ocorreu com pessoas que possuem o 2º grau. Entre os desocupados, 38,24% possuíam o 2º grau em 2002, sendo que em 1981, este percentual era de 17,79%. Em relação às pessoas com diploma de 3º grau, 8,58% não tinham ocupação em 2002, contra 5,69% em 1981. Por outro lado, o número de desocupados caiu para os que têm o 1º grau, passando de 76,52% em 1981 para 53,18% em 2002.

Ainda assim, o levantamento mostra que a performance da desocupação acabou repercutindo diretamente nos rendimentos dos ocupados. A retração dos rendimentos acaba sendo maior entre as pessoas com 2º grau. Em seqüência, vêm aqueles que atingiram o 3º grau e, por fim, as pessoas com até o 1º grau.

Em 1981, 6% dos ocupados com 3º grau ganhavam R$ 2.921,43, sendo que em 2002, 11,26% tinham uma renda real de R$ 2.203,24, o equivalente a uma redução de 24,6% no rendimento. Mas a redução de renda foi maior entre os trabalhadores com 2º grau. Dos R$ 1.206,87 recebidos em 1981, o montante caiu para R$ 771,17 em 2002. Por outro lado, a queda é menor no contingente de pessoas com o 1º grau, passando de R$ 516,61 em 1981 para R$ 421,18 em 2002.

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção