Menu
SADER_FULL
terça, 11 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Cinema brasileiro terá em 2011 grandes lançamentos

1 Nov 2010 - 15h19Por Folha Online
Inspirada no que faz o mercado norte-americano, a distribuidora Imagem Filmes levou, no final de semana, donos de cinema, jornalistas, diretores, produtores e atores para o resort Costão do Santinho, em Santa Catarina.

A empresa usou o cenário paradisíaco para emoldurar sua nova estratégia comercial. Tradicionalmente apoiada em títulos estrangeiros, em 2011, apostará várias fichas no cinema nacional.

E, se a cruzada verde e amarela chama a atenção, é, sobretudo, porque há outras empresas a segui-la. A Downtown, criada exclusivamente para lançar títulos nacionais, estreará, entre 2011 e 2013, seis filmes por ano.

A empurrar a essa ofensiva, aparece o governo. Em 2010, foram injetados R$ 30 milhões na distribuição.

Dentre as muitas marcas batidas por "Tropa de Elite 2", há uma que carrega, em si, uma das grandes contradições do cinema brasileiro: vão sempre parar nos cofres das subsidiárias de Hollywood os cifrões gerados pelos sucessos nacionais.

Filmes como "Se Eu Fosse Você" e "Dois Filhos de Francisco" foram postos no mercado com o logotipo de grupos como Sony e Fox.

A razão para tal fenômeno tem origem num mecanismo de incentivo fiscal: o Artigo 3º da Lei do Audiovisual.

O "artigo 3º" -tratado assim, com intimidade, pelo mercado de cinema brasileiro- permite que as empresas estrangeiras apliquem em produções nacionais parte do imposto que deve ser pago no momento da remessa de lucros para o exterior.

E foi assim, com financiamento público, que as majors passaram a se associar aos filmes brasileiros.

Mas o que parecia louvável foi se tornando excessivo e, então, a Agência Nacional de Cinema (Ancine) resolveu criar políticas capazes de estimular certas peças a se moverem nesse jogo.

Essa política, que começou a ser desenhada em 2005, deu origem, primeiro, ao Prêmio Adicional de Renda, que beneficia as distribuidoras brasileiras.

A partir de 2006, o BNDES passou a investir em Funcines (fundos de investimento voltados ao audiovisual) e priorizou os que fossem focados em distribuição.

Por fim, veio o Fundo Setorial do Audiovisual, que inclui duas linhas de apoio à distribuição e disponibilizou R$ 10 milhões em 2009 e R$ 22,4 milhões neste ano.

Somados todos os recursos, a Ancine colocou, em distribuição, cerca de R$ 30 milhões em 2010. Em 2004, não havia um só tostão público nesse segmento da chamada cadeia do cinema.

FOCO NACIONAL

"Conseguimos atrair todas as distribuidoras independentes para o filme brasileiro", diz Manoel Rangel, presidente da Ancine. "Algumas empresas passaram a ter o filme brasileiro como seu produto principal. Já as majors sempre terão como prioridade o produto da matriz."

Bruno Wainer, o primeiro a apostar nos nacionais, com a Downtown ("Chico Xavier"), diz, sem desconsiderar a importância dos estímulos, que a mudança de rumo foi determinada, também, pelo contexto mundial.

"O mercado independente mundial está em crise. O cinema brasileiro passou a ser alternativa para as empresas que trabalhavam com independentes estrangeiros."

Abrão Scherer, da Imagem, diz que não. Segundo ele, a aposta tem mais a ver com o potencial do cinema brasileiro do que com a falta de opções estrangeiras.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENTRO ESPÍRITA
Médium é acusado de Abusos Sexuais em crianças
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Nicolau leva surra de chicote no bordel
COVARDIA
Mulher agride menino autista em playground e vídeo viraliza
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Nicolau descobre que Diana luta karatê e fica em choque
ACUMULOU
Ninguém acerta a mega-sena e prêmio acumula em R$ 30 milhões
VIOLENCIA
'Tiro, porrada e bomba': festa em universidade acaba em pancadaria e PM responde com violência
NOVELA GLOBAL
Gabriel confronta Valentina em “O Sétimo Guardião”
ARROCHO
Regra defendida por Bolsonaro tira R$ 1,1 mil por mês das novas aposentadorias
BARBÁRIE
Mulher é presa após atear fogo em cachorro
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Feliciano foi muito rico e ajudou Valentina no passado