Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 20 de março de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Ciclone chega a Cuba com ventos de 165 Km

13 Ago 2004 - 11h00
Após ganhar intensidade, o furacão Charley tocou o solo da região sul de Havana à 0h15 (hora local) desta sexta-feira. Acompanhado de chuva intensa que encobriu completamente o céu, o ciclone também trouxe ventos de 165 km/h. Meteorologistas de Cuba prevêem que o furacão deixe o país por Santa Fé, a oeste da capital.

Havana, a maior cidade do país, tem 2,2 milhões de habitantes. Muitas das residências são frágeis por serem antigas, por causa da salinidade do mar e pela falta de manutenção. A Defesa Civil cubana declarou estado de alerta na manhã desta quinta-feira e foram intensificados os preparativos para evitar mortes, como a poda de árvores.

Durante o dia, o comércio ficou lotado de pessoas que queriam estocar alimentos, água potável e velas. O ministério da Saúde ordenou a liberação de leitos hospitalares e a suspensão de cirurgias não emergenciais para que pudessem ser atendidas possíveis vítimas do furacão.

Charley é um fenômeno atípico. Desde 1969 não se tem notícia de furacões em agosto, o mês mais calmo da temporada de ciclones. O furacão deve chegar à Flórida (EUA) nesta sexta-feira.

 

 

Agência Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSÉDIO SEXUAL
Homem é morto a tiros após assediar mulher casada
FATALIDADE
Mulher morre ao cair de pé de abacate e bater cabeça na linha do trem
MANIACO SEXUAL
Pai flagra estupro da filha dentro de casa usando o celular, suspeito foi preso
FAMOSIDADES
Quem era Bettina antes do R$ 1 Milhão: Ela foi professora de balé, modelo e panfleteira
MENTOR DO MASSACRE
Polícia de Suzano apreende menor suspeito de planejar ataque
INTERNADO
Criança de 4 anos cai em poço de cinco metros de profundidade
RESGATADO
Cão abandonado em ilha estava sendo comido vivo por urubus
SEXTUPLOS
Americana dá à luz seis bebês em nove minutos
TRAGÉDIA EVITADA
Garoto de 11 anos leva faca na mochila para matar colega no ônibus escolar
ALERTA AOS PAIS
Menino de quatro anos corta os pulsos em Goioerê e pode ser influência da Momo