Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Chuva compromete safra de algodão no Mato Grosso

19 Jul 2004 - 16h28
As lavouras de algodão do município de Campo Novo do Parecis (a 397 quilômetros de Cuiabá), no Mato Grosso, apresentam redução de cerca de 20% a 25% na produtividade da safra atual, segundo o produtor Odenir Ortolan. Chuvas na época do desenvolvimento da planta e no final do ciclo - durante a abertura das maçãs, de onde saem as plumas - comprometeram o rendimento estimado de cerca de 240 arrobas de algodão com caroço por hectare (ha). Para o ciclo 2003/04, a área plantada na região praticamente dobrou passando de 17 mil ha, para atuais 33 mil ha.

Por enquanto, as expectativas são de manutenção da área para a próxima safra no município. "Em abril tivemos muita chuva e colhendo há mais de trinta dias já temos noção da quebra de rendimento das lavouras", aponta Ortolan.

Em outra região produtora do Estado, a Centro-Sul, que concentra 61% da produção, o presidente o Núcleo Centro, da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), Benjamim Zandonade, explica que nas proximidades de Campo Verde, onde planta, as chuvas têm sido localizadas e de intensidades variadas. "Colhemos cerca de 35% da região, e por isso ainda não é possível mensurarmos se teremos e de quanto será a nossa perda", analisa Zandonade.

O que está confirmado, inclusive pelo presidente da Ampa, João Luiz Ribas Pessa, é que a coloração da pluma será afetada com as chuvas que já foram registradas no Estado. "Haverá uma alteração na qualidade sim, mas nada que impeça o cumprimento dos contratos", frisa.

Pessa explica que mesmo os contratos firmados para um tipo específico de pluma e pelo fato da perda de qualidade "estética" - por conta da chuva, sem culpa do produtor -, pode se aplicar no momento da entrega um deságio. "Por isso não temos esta preocupação de rompimentos por parte do comprador. O valor travado antecipadamente será mantido, e se necessário, depreciado", salienta.

Zandonade completa que alguns contratos levam em consideração essas possibilidades e confirma que descumprimentos não serão registrados.

Na região Centro, que abrange além de Campo Verde, Jaciara, Dom Aquino e Chapada dos Guimarães, a colheita levará mais um mês para finalizar os 74 mil ha plantados. "O que registramos aqui foram chuvas em lavouras sem maturação suficiente para serem colhidas. E chuva seguida de sol torna praticamente inexpressivos os danos", revela Zandonade.

A queda da cotação das últimas duas semanas em cerca de 10%, ou, aproximadamente US$ 0,05 por libra-peso, segundo Zandonade é esperada neste momento de safra, e também pelo bom desempenho das lavouras americanas que devem aumentar os estoques mundiais. "É uma pressão normal". Em função da baixa no mercado, o processo de vendas antecipadas para 04/05 encontra-se desaquecido. Pessa explica que para exportação existem 150 mil toneladas (t) contratadas no Estado e para o mercado interno cerca de 50 mil t.
 
 
Diário de Cuiabá

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'