Menu
SADER_FULL
quarta, 17 de outubro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Chefe paga R$ 5 mil por chamar funcionária de "sapatão"

12 Mar 2007 - 11h00
A 3ª Câmara de Direito Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina garantiu a uma funcionária o direito de receber indenização de R$ 5 mil de sua chefe por agressões pessoais.
 
A autora da ação, que foi identificada como F.A., acusa a chefe B.F.G de chamá-la de "sapatão", "lésbica", "homossexual" e "maconheira" durante o trabalho.
 
F.A entrou com ação por danos morais e a desembargadora Salete Sommariva considerou que a chefe agiu de forma incorreta. "Cabe ressaltar que a existência de subordinação hierárquica não possibilita o superior agir de maneira indigna perante seus subordinados", afirmou.
 
Testemunhas afirmaram não ter presenciado ofensas da chefe para com a subordinada. Entretanto, a desembargadora considerou os dois depoimentos e deu ganho de causa à autora da ação.
A decisão foi unânime. Em primeira instância, a chefe já havia sido condenada, na Comarca de Brusque.
 
Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da INVERTIA.
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO LETICIA
Adolescente morta a facadas contou a amigos que pai estuprou a tia na sua frente:'Tinha quatro anos'
MOTIVO FUTIL
Camera ajuda na indentificação de Homem que confessa ter matado mulher após falhar na "Hora H"
A CASA CAIU
Rapaz é agredido pelas sete namoradas que descobriram traição
SEGUNDO SOL
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher'
DEFICITÁRIAS
Correios fecham 02 agências no MS e 39 no país
VICENTINA - LEILÃO ELETRÔNICO
Justiça realizará leilão eletrônico de imóveis urbanos e trator de VICENTINA
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Conclusão do Comperj deve gerar 8 mil vagas em 2019
LUTO NO JORNALISMO
Morre Gil Gomes, jornalista policial, aos 78 anos, em São Paulo
SELEÇÃO BRASILEIRA
Brasil vence a Argentina com gol de Miranda nos acréscimos e conquista o Superclássico
HORARIO DE VERÃO
Início do horário de verão não será adiado, informa o Planalto