Menu
SADER_FULL
segunda, 22 de abril de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

CGU pode continuar divulgando relatórios sobre municípios

28 Out 2004 - 16h34
 

A 1ª Seção do STJ (Superior Tribunal de Justiça), por maioria, reconheceu a competência constitucional da CGU (Controladoria-Geral da União) para divulgar relatórios resultantes da fiscalização mensal dos municípios de todo o País, escolhidos por sorteios públicos. Para o relator, ministro José Delgado, a Administração Pública deve se orientar pela "estrita observância da publicidade e transparência de seus atos", que devem ser informados à população.

Para que os relatórios não sejam publicados no site da CGU, mandados de segurança preventivos foram interpostos pela UPB (União dos Municípios da Bahia) e pelo município de Pindobaçu (BA) contra atos que possam ser praticados pelo ministro de Estado do Controle e da Transparência. A divulgação dos relatórios será feita depois de transcorridos cinco dias para a apresentação de esclarecimentos.

Segundo os autos, a CGU, por intermédio da Controladoria-Geral da União no Estado da Bahia, órgãos federais integrantes da Presidência da República, escolheram, por um sistema de sorteio, o município de Pindobaçu para ser auditado quanto ao emprego das verbas federais a ele destinadas. A UPB e a municipalidade alegam ser o ato "ilegal e abusivo, na medida em que antecipa juízo de valor que somente será alcançado pelo trabalho que vier a ser desenvolvido pelos órgãos competentes para o exame".

Para o ministro José Delgado, a pretensão da UPB não se mostra passível de acolhimento, por não estar caracterizada a existência do direito reivindicando, tampouco a sua liquidez e certeza. "O exercício de qualquer cargo ou função pública, notadamente o de chefe do Poder Executivo municipal, demanda a necessária submissão aos princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, dentre outros requisitos".

Assim, frisou o ministro, torna-se evidente que as informações veiculadas pelo órgão controlador da União, a bem da verdade, objetiva atender a um comando expresso da Carta Federal, na medida em que noticia a milhares de contribuintes o destino efetivo da receita fiscal por eles proporcionada. "Dessa forma, não se cogita de infração aos princípios da ampla defesa, do contraditório e do devido processo legal, mas se tem, ao revés, fiel observância do mandamento de publicidade declarado pela Constituição Federal", afirmou o ministro Delgado.

 

Mídia Max News

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOENÇA DO SÉCULO
Yasmim Gabrielle, do ‘Programa Raul Gil’, se suicida após depressão
FATALIDADE
Bebê morre após ser esquecida pelo pai por três horas dentro do carro
IRRESPONSABILIDADE
Bebê de 1 aninho entra em coma alcoólico após pai dar cachaça com refrigerante
BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião