Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 17 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Células-tronco embrionárias e aborto serão discutidos em debate

18 Ago 2010 - 17h00Por Canção Nova

No próximo dia 23 de agosto, o Sistema Canção Nova de Comunicação e a Rede Aparecida vão realizar o primeiro debate entre os presidenciáveis promovido por TVs de inspiração católica.

Todos os candidatos com representação na Câmara foram convidados. José Serra (PSDB), Marina Silva (PV) e Plínio Arruda Sampaio (PSOL) já confirmaram presença no programa.

O debate pretende criar um espaço inédito para que temas de interesse dos cristãos sejam tratados com profundidade, além de questões ligadas à saúde, educação, emprego, segurança pública, previdência, liberdade de imprensa e reforma agrária.

O aborto, o uso de células-tronco embrionárias e a exposição de símbolos religiosos em locais públicos ganham destaque na pauta.

Aborto

Segundo a Instrução "Donum Vitae", elaborada pelo Vaticano para avaliar todas as questões morais relativas à bioética, a vida humana deve ser respeitada de maneira absoluta a partir do momento da concepção.

Desde o primeiro momento de sua existência, o homem deve ter reconhecidos os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida.

“O fruto da geração humana, desde o primeiro momento da sua existência, isto é, a partir da constituição do zigoto, exige o respeito incondicional que é moralmente devido ao ser humano na sua totalidade corporal e espiritual”.

Células-tronco embrionárias

Quanto ao uso de células-tronco embrionárias, a Igreja declara que não visa atrasar o desenvolvimento científico, como alegam alguns pesquisadores, mas ser em primeiro lugar a favor da vida.

Em 29 de maio de 2008, o Superior Tribunal Federal aprovou esse tipo de pesquisa no Brasil. O país é o primeiro a liberar o uso de células-tronco embrionárias para estudo na América Latina e o 26º no mundo.

O artigo 5º da Lei de Biossegurança (Lei nº 11.105, de 24 de março de 2005) libera no país a pesquisa com células-tronco de embriões obtidos por fertilização in vitro e congelados há mais de três anos.

“Salvar um e matar outro não é a resposta”, destaca o presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), Dom Geraldo Lyrio Rocha, que acrescenta o seguinte, ao enfatizar que a Igreja não é insensível ao sofrimento das pessoas: "A Igreja é sensível ao sofrimento de tantas pessoas que desejam a cura e estimulam os cientistas para que possam progredir nas pesquisas a fim de que doenças incuráveis possam ter cura.

A Igreja não concorda é com a manipulação dos sentimentos das pessoas e o seu desejo de viver, a sua esperança de encontrar uma cura, com informações falsificadas.

Vamos passar informações corretas, seguras e não alimentar expectativas falsas".

De acordo com a Instrução "Dignitas Personae", escrita em 2008 e que trata sobre algumas questões de Bioética, “o corpo de um ser humano, desde as primeiras fases da sua existência, nunca pode ser reduzido ao conjunto das suas células.

O corpo embrionário desenvolve-se progressivamente segundo um programa bem definido, e com um fim intrínseco próprio, que se manifesta no nascimento de cada criança".

Símbolos religiosos em locais públicos

Nos últimos anos, há uma discussão na justiça sobre a exposição de símbolos religiosos em locais públicos, enfatizada no ano passado pelo PNDH-3 (Programa Nacional de Direitos Humanos). O embate gira em torno do fato de algumas pessoas alegarem que tal exibição fere a laicidade do Estado.

Para o jurista Dr. Ives Gandra Martins, é preciso esclarecer exatamente o que significa a palavra "laicidade".

“Estado laico não significa que aquele que não acredita em Deus tenha direito de impor sua maneira de ser, de opinar e de defender a democracia. Numa democracia, todos têm o direito de opinar, os que acreditam em Deus e os que não acreditam.

Mas, na democracia brasileira, foram os representantes do povo, reunidos numa Assembléia Constituinte considerada originária, que definiram que todo o ordenamento jurídico nacional, toda a Constituição, todas as leis brasileiras devem ser veiculadas "sob a proteção de Deus", não podendo, pois, violar princípios éticos da pessoa humana e da família”.

O Papa Bento XVI afirmou que os sinais religiosos do povo não devem ser retirados dos locais públicos, porque quando se retira Deus da vida pública a sociedade se encaminha para o vazio e o mal.

O debate acontecerá no auditório da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo, no dia 23 de agosto, a partir das 22h.

E será transmitido ao vivo para todo o Brasil, e para alguns países, pelo Sistema Canção Nova de Comunicação e a Rede Aparecida. Estima-se um público de mais de 100 milhões de telespectadores.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Sóstenes cometeu crime por amor a Luz
ABUSO SEXUAL
João de Deus se entrega para a polícia
ACIDENTE
Criança de dois anos se enforca com a alça da bolsa enquanto brincava em escola
CASO JOÃO DE DEUS
Marina Ruy Barbosa intervém no caso João de Deus e impede uma grande tragédia
PRISÃO DECRETADA
Justiça de Goiás decreta prisão de João de Deus
STARTUPS NO BRASIL JÁ É SUCESSO
O sucesso das startups no Brasil e algumas novas apostas no mercado
REVOLTANTE
Filha de João de Deus diz que foi abusada dos 10 aos 14 anos: 'Meu pai é um monstro'
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Robério beija Marcos Paulo e a agride ao descobrir que ela é trans
DESTAQUE MUNDIAL
Dois brasileiros estão no Top 50: melhores professores do mundo
JUSTIÇA - WHATSAPP
Administradora de grupo no WhatsApp, foi “condenada” á pagar 3 mil por discussão de membros