Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 23 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Capital mobiliza 400 pessoas durante movimento contra violência

17 Mai 2007 - 07h38

Uma grande mobilização, que deverá reunir mais de 400 pessoas na região central de Campo Grande, pretende marcar o Dia Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes.

O evento acontecerá nesta sexta-feira (18), na avenida Afonso Pena, entre as ruas 13 de maio e 14 de Julho com panfletagem, adesivagem e abordagens de sensibilização. Professores, estudantes de escolas municipais, integrantes de órgãos assistenciais à criança e adolescente pretendem mobilizar a sociedade para o combate à violência infanto-juvenil destacando a Campanha Nacional que tem como tema “Combater a impunidade é Garantir Proteção”.

A violência sexual infanto-juvenil é considerada por especialistas um fenômeno de difícil enfrentamento por demandar uma quebra na cultura da impunidade e por causa da falta de conscientização de diversas esferas da sociedade. Segundo a secretária executiva do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Maria Neide Araújo Silva a mobilização é necessária para que a sociedade participe mais não só com a indignação, mas com denúncias.

“Não podemos ficar parados diante da violência”, afirma Maria Neide.

Desde que o Estatuto da Criança e do Adolescente foi implantado no Brasil, em 1990, a luta contra a violência infanto-juvenil ganhou mais expressão na sociedade. Crianças e Adolescentes passaram de objeto de posse de pais, mães e Estado para cidadãos de direitos e deveres.

A secretária executiva, Maria Neide ressalta que ainda há muito o que fazer e enquanto houver violência contra a criança e o adolescente a mobilização é necessária”, afirma.

O dia 18 de maio foi criado em Salvador, em 1998, quando cerca de 80 entidades públicas e privadas, reuniram-se no 1º Encontro do Ecpat no Brasil. A data faz uma referência a um crime que chocou o país por sua brutalidade.

Araceli Cabrera Sanches, oito anos, foi seqüestrada, espancada, drogada, estuprada e morta por integrantes de tradicionais famílias da sociedade capixaba dos anos 70. Mais de trinta anos depois, os assassinos continuam impunes.

O Dia busca promover a mobilização de várias esferas públicas e gerar conscientização sobre a problemática. Desde a implantação, a sociedade civil organizada promove atos de mobilização social e política com o intuito de avançar no processo de conscientização e do cumprimento do Estatuto da Criança.

Em Campo Grande, o Dia de Enfrentamento é coordenado pelo Grupo Municipal de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, Conselho Municipal da Criança dos Direitos da Criança do Adolescente com o apoio da Secretaria Municipal de Assistência Social e de entidades assistenciais voltadas ao atendimento à infância e adolescência.

 

 

Conjuntura

Deixe seu Comentário

Leia Também

BBB 19
Vanderson é eliminado e vai prestar depoimentos sobre casos de agressão
INVESTIGAÇÃO
Mourão volta a dizer que é preciso investigar Flávio Bolsonaro e punir se for o caso
HEROI
Porteiro ganha homenagem: salvou criança de 3 anos que caiu na piscina (VIDEO)
FAMOSIDADES
Aos 67 anos, Amado Batista assume namoro com jovem de 19 anos de idade
LUTO - TV
Ator Caio Junqueira morre no Rio uma semana após acidente
ANJO DA GUARDA
Amigo dá lar a mulher que viveu 40 anos internada no HC
MAMATA
General corta contratinho de R$ 30 milhões para manter jornalistas no exterior
PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes