Menu
SADER_FULL
domingo, 18 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Candidaturas de mulheres deste ano crescem só 3%

27 Ago 2004 - 15h42
Levando em consideração o número de candidatas que concorrem ao cargo de vereadora e prefeita, a participação das mulheres na política deve crescer apenas 3% nas eleições deste ano em comparação a 2000.

A tendência foi verificada no levantamento "As Mulheres nas Eleições Municipais de 2004", elaborado pelo Cfemea (Centro Feminista de Estudo e Assessoria), que comparou as candidaturas de 2000 com as de 2004, com base em dados preliminares deste ano do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

"O preconceito de homens e mulheres em votar em mulheres ainda existe e é grande. Nós esperávamos que o crescimento da participação política das mulheres neste ano fosse maior. Mas ainda há muita resistência em reconhecer o papel das mulheres na política e não apenas o seu desempenho doméstico", diz Almira Rodrigues, socióloga e diretora do Cfemea.

O número de mulheres que concorrem a um cargo de vereadora cresceu de 19% para 22%. Em 2000, elas eram 70.321 dos 367.344 candidatos. Neste ano, somam 73.827 do total de 333.378 candidaturas.

Já as mulheres que concorrem ao cargo de prefeita representam neste ano 9,33% do total de candidaturas, contra 7,59% em 2000. Naquele ano, as mulheres participaram de 1.139 candidaturas, do total de 15.016, contra as 1.398 que concorrem neste ano. Em 2004, os candidatos a prefeito no país somam 14.982.

Segundo a diretora do Cfemea, a resistência dos eleitores brasileiros é maior com relação à eleição de mulheres para o cargo de prefeitas do que para vereadoras. "Temos depoimentos de pessoas que falam que até votariam em mulheres para vereadora, mas para prefeita de jeito nenhum."

Machismo

O estudo também comparou as candidaturas das mulheres para vereadores e prefeitas entre os Estados. Em ambos os casos, a região sul --famosa pelo folclore do machismo gaúcho-- registrou os índices mais baixos de todo o país.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, as mulheres que se candidataram a prefeita são apenas 5,4%; em Santa Catarina, 3%; e no Paraná, 8%. As médias mais altas foram registradas no Amapá (17%), Alagoas (16%) e Rio Grande do Norte, com 14%. A média nacional de candidatas a prefeitas foi de 9%.

Para justificar a pequena participação das mulheres no cenário político, Almira diz que "o sistema é perverso" e a competição com os homens, desigual. "As mulheres não têm a mesma influência que os homens e falta incentivo ainda dentro dos partidos para ampliar a participação feminina no cenário político."

Para ela, a cidade de São Paulo tem uma importante trajetória de sucesso de mulheres no poder executivo, com as eleições de Luiza Erundina (1989-1992) e Marta Suplicy (2000-2004) na prefeitura.

"São Paulo está valorizando muito as mulheres. É uma sociedade que aposta e demonstra que quer inovação", afirma.

Questionada se a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), candidata à reeleição neste ano, fez um bom governo e tem chances de se reeleger, Almira preferiu não manifestar o seu palpite. "Eu não posso dizer, não acompanho [o governo] de perto."
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

VICENTINENSE DE CORAÇÃO
Após 30 anos dividindo palco, Erika Figueiredo aposta no solo e lança clipe, ASSISTA
SIAMESAS
Mulher dá à luz gêmeas siamesas de 3,700KG as duas
ACIDENTE DE TRABALHO
Homem morre ao ser puxado por colheitadeira quando fazia limpeza
TENTATIVA DE HOMICIDIO
Cansada de apanhar mulher desfere golpes de faca em companheiro
POLICIAIS CORRUPTOS
PMs são denunciados por ligação com tráfico; bandidos fizeram foto em caveirão
NOVELA GLOBAL
Camilo descobre segredo de Chiclete e Vivi em 'A dona do pedaço'
LIBERADO
PIS/Pasep para nascidos em agosto já está liberado
ALUCIENÓGENO
Video: Vovó fica doidona ao provar acidentalmente maconha do neto
TARADO AGIU NA IGREJA
Homem é preso após abusar de criança de 4 anos dentro de igreja
CRUELDADE
Adolescente que estava desaparecido foi brutalmente assassinado e queimado