Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 16 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Candidaturas de mulheres deste ano crescem só 3%

27 Ago 2004 - 15h42
Levando em consideração o número de candidatas que concorrem ao cargo de vereadora e prefeita, a participação das mulheres na política deve crescer apenas 3% nas eleições deste ano em comparação a 2000.

A tendência foi verificada no levantamento "As Mulheres nas Eleições Municipais de 2004", elaborado pelo Cfemea (Centro Feminista de Estudo e Assessoria), que comparou as candidaturas de 2000 com as de 2004, com base em dados preliminares deste ano do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

"O preconceito de homens e mulheres em votar em mulheres ainda existe e é grande. Nós esperávamos que o crescimento da participação política das mulheres neste ano fosse maior. Mas ainda há muita resistência em reconhecer o papel das mulheres na política e não apenas o seu desempenho doméstico", diz Almira Rodrigues, socióloga e diretora do Cfemea.

O número de mulheres que concorrem a um cargo de vereadora cresceu de 19% para 22%. Em 2000, elas eram 70.321 dos 367.344 candidatos. Neste ano, somam 73.827 do total de 333.378 candidaturas.

Já as mulheres que concorrem ao cargo de prefeita representam neste ano 9,33% do total de candidaturas, contra 7,59% em 2000. Naquele ano, as mulheres participaram de 1.139 candidaturas, do total de 15.016, contra as 1.398 que concorrem neste ano. Em 2004, os candidatos a prefeito no país somam 14.982.

Segundo a diretora do Cfemea, a resistência dos eleitores brasileiros é maior com relação à eleição de mulheres para o cargo de prefeitas do que para vereadoras. "Temos depoimentos de pessoas que falam que até votariam em mulheres para vereadora, mas para prefeita de jeito nenhum."

Machismo

O estudo também comparou as candidaturas das mulheres para vereadores e prefeitas entre os Estados. Em ambos os casos, a região sul --famosa pelo folclore do machismo gaúcho-- registrou os índices mais baixos de todo o país.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, as mulheres que se candidataram a prefeita são apenas 5,4%; em Santa Catarina, 3%; e no Paraná, 8%. As médias mais altas foram registradas no Amapá (17%), Alagoas (16%) e Rio Grande do Norte, com 14%. A média nacional de candidatas a prefeitas foi de 9%.

Para justificar a pequena participação das mulheres no cenário político, Almira diz que "o sistema é perverso" e a competição com os homens, desigual. "As mulheres não têm a mesma influência que os homens e falta incentivo ainda dentro dos partidos para ampliar a participação feminina no cenário político."

Para ela, a cidade de São Paulo tem uma importante trajetória de sucesso de mulheres no poder executivo, com as eleições de Luiza Erundina (1989-1992) e Marta Suplicy (2000-2004) na prefeitura.

"São Paulo está valorizando muito as mulheres. É uma sociedade que aposta e demonstra que quer inovação", afirma.

Questionada se a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy (PT), candidata à reeleição neste ano, fez um bom governo e tem chances de se reeleger, Almira preferiu não manifestar o seu palpite. "Eu não posso dizer, não acompanho [o governo] de perto."
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA
“Tentei socorrer ele, mas não deu certo”: conta filho de motociclista levado por enxurrada
FURIA DA NATUREZA
Enxurrada derruba casa e provoca pânico e destruição
NOVELA GLOBAL
Gabriel e Valentina viram inimigos mortais em 'O sétimo guardião'
REALITY SHOW
BBB 19 começa hoje. Na Rocinha Casa de Darnrley vira "QG" de Torcida
POSSE DE ARMAS
Bolsonaro assina nesta terça-feira decreto que facilita posse de armas
HEROINA
Professora Helley, que salvou crianças de incêndio em Janaúba, é homenageada e dá nome a rodovia
FAMOSIDADES
Doente, José Mayer foi esquecido pela Globo e abandonado por ‘Amigos’
NOVA LEI
Motoristas condenados por contrabando vão perder a CNH por cinco anos
SUCATA
Jovem transforma pneus velhos em lindas caminhas para pets.
ENTRETENIMENTO
Com direito a uniforme e crachá, “cão frentista” viraliza e ganha milhares de fãs