Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 17 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Canadenses caminham para internet 100 vezes mais rápida

24 Ago 2004 - 14h40
Pesquisadores canadenses deram um passo importante para desenvolver um sistema de transmissão de dados ultra-rápido, ou uma internet 100 vezes mais rápida do que a baseada em banda larga. Primeiro, criaram um material híbrido em escala nanométrica capaz de agir sobre dados transportados em fibra ótica; agora conseguiram fazer com que este material, num feixe de laser, aja sobre outro feixe de laser, direcionando-o.

O trabalho mostra que futuros sistemas de fibra ótica poderão carregar sinais sem necessidade de conversões em sinais eletrônicos, com tempos de resposta na escala do picossegundo (um trilionésimo de segundo). “Com a criação de um material híbrido que pode controlar o poder do feixe de luz, demonstramos uma nova classe de materiais que se adequa às necessidades de futuras redes fotônicas”, afirma Ted Sargent em comunicado da Universidade de Toronto.

O controle de um feixe de luz por outro era algo postulado pelos cientistas, mas nunca antes comprovado. Segundo estudo publicado na revista Nano Letters, Sargent e Qiying Chen demonstraram esta capacidade. “Com nosso trabalho, a capacidade de processar sinais que contenham informação por meio da luz se tornou algo prático”, disse Sargent.

Lacuna quântica

O uso de novas partículas de luz tornou-se uma necessidade quando os cientistas constataram que os materiais moleculares conhecidos não conseguiam este controle. Segundo a Agência Fapesp, a falha ficou conhecida como a “lacuna quântica de Kuzyk”, em referência ao físico Mark Kuzyk, da Universidade de Washington, que foi o primeiro a prever, em 2000, os limites da física fundamental em propriedades não lineares de materiais moleculares.

Foi então que outros canadenses, Wayne Wang e Connie Kuang, da Universidade de Carleton, desenvolveram um material que combina partículas esféricas em escala nanométrica com um polímero também desenvolvido em laboratório. Sargent e Chen estudaram estas partículas óticas do material híbrido e confirmaram sua capacidade de agir sobre dados transportados em faixa infravermelha, geralmente usada em cabos de fibra ótica.

“A conquista por terem atingido o limite quântico, resultado das pesquisas feitas nas universidades de Toronto e Carleton, representa um grande avanço na ciência de materiais óticos não lineares que terá um impacto direto em importantes tecnologias”, comentou o físico Mark Kuzyk.

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras
GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'