Menu
SADER_FULL
terça, 20 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Campinas: seqüestro termina depois de 56 horas

27 Abr 2007 - 07h30
Terminou na noite desta quinta-feira, depois de 56 horas, o seqüestro de uma família em Campinas (SP). A polícia invadiu a casa e libertou os dois últimos reféns: Mara Souza e o filho Thiago, 7 anos. O suspeito, Gleison Flávio de Salles, 23 anos, chegou a disparar um tiro contra a porta, mas foi rendido em seguida. Ninguém ficou ferido. Segundo o comandante do 3º Batalhão da Polícia de Choque de São Paulo, Flávio Jari Depiere, o seqüestro teve o maior tempo de negociação da história do Estado.
 
No início da noite, havia sido libertado outro filho de Mara: Vítor, 10 anos. Segundo o coronel Eliziário Ferreira Barbosa, ele disse que o seqüestrador era "bonzinho". Vítor contou que recebeu bolachas e refrigerantes do suspeito. Toda a família foi encaminhada para o Hospital Municipal Mário Gatti. Gleison foi examinado e levado para a delegacia.
 
A polícia identificou o seqüestrador apenas nesta quinta-feira. Segundo o major Luciano Casagrande, que negociou a libertação dos reféns, o suspeito é natural do Recife e estava foragido da penitenciária de Hortolândia, na região de Campinas. Ele é acusado de um assassinato e três tentativas de homicídio.
 
Salles, suspeito de tentar assaltar uma galeria de lojas, invadiu a residência armado, na terça-feira, depois de tentar fugir da polícia, e fez reféns a mulher e três crianças. No mesmo dia, às 16h, um dos filhos de Mara foi libertado em troca de um colete à prova de balas. À noite, a polícia cortou a energia elétrica da casa, para tentar forçar uma rendição, mas a alimentação foi mantida.
 
Durante a quarta-feira e ao longo do dia de hoje, Salles fez diversas exigências para a polícia, mas sempre desistia das negociações no último minuto. Ele pediu um carro para a fuga, uma arma, colete à prova de balas, cigarros, água, um telefone celular para falar com a mãe e até extintores de incêndio. A polícia suspeita que ele pretendia criar uma cortina de fumaça para a fuga.
 
Hoje pela manhã, o padre Nelson Ferreira, da Pastoral Carcerária de Campinas, havia se disponibilizado para entrar na casa em troca da libertação de uma das crianças. À tarde, o padre Luís Roberto Teixeira também se ofereceu para ser trocado por um dos reféns.
 
As negociações foram retomadas no início da tarde de hoje com a ajuda de uma mulher que, segundo a polícia, é uma pessoa muito próxima ao suspeito e que teria laços afetivos com ele. Ela entrou na casa e permaneceu lá durante horas conversando com Salles. De acordo com a polícia, ela foi fundamental para o fim do seqüestro.
 
 
 
Terra Redação
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem que matou filho para defender a nora comete suicídio
INJUSTIÇA
Familiares prestam homenagem a laçador de cães que morreu após ser hostilizado
FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)