Menu
CACAU SHOW FÁTIMA DO SUL 0
domingo, 20 de outubro de 2019
CÂMARA BONITO OUTUBRO 2019
Busca
UNIGRAN NET
Brasil

Campinas: seqüestro termina depois de 56 horas

27 Abr 2007 - 07h30
Terminou na noite desta quinta-feira, depois de 56 horas, o seqüestro de uma família em Campinas (SP). A polícia invadiu a casa e libertou os dois últimos reféns: Mara Souza e o filho Thiago, 7 anos. O suspeito, Gleison Flávio de Salles, 23 anos, chegou a disparar um tiro contra a porta, mas foi rendido em seguida. Ninguém ficou ferido. Segundo o comandante do 3º Batalhão da Polícia de Choque de São Paulo, Flávio Jari Depiere, o seqüestro teve o maior tempo de negociação da história do Estado.
 
No início da noite, havia sido libertado outro filho de Mara: Vítor, 10 anos. Segundo o coronel Eliziário Ferreira Barbosa, ele disse que o seqüestrador era "bonzinho". Vítor contou que recebeu bolachas e refrigerantes do suspeito. Toda a família foi encaminhada para o Hospital Municipal Mário Gatti. Gleison foi examinado e levado para a delegacia.
 
A polícia identificou o seqüestrador apenas nesta quinta-feira. Segundo o major Luciano Casagrande, que negociou a libertação dos reféns, o suspeito é natural do Recife e estava foragido da penitenciária de Hortolândia, na região de Campinas. Ele é acusado de um assassinato e três tentativas de homicídio.
 
Salles, suspeito de tentar assaltar uma galeria de lojas, invadiu a residência armado, na terça-feira, depois de tentar fugir da polícia, e fez reféns a mulher e três crianças. No mesmo dia, às 16h, um dos filhos de Mara foi libertado em troca de um colete à prova de balas. À noite, a polícia cortou a energia elétrica da casa, para tentar forçar uma rendição, mas a alimentação foi mantida.
 
Durante a quarta-feira e ao longo do dia de hoje, Salles fez diversas exigências para a polícia, mas sempre desistia das negociações no último minuto. Ele pediu um carro para a fuga, uma arma, colete à prova de balas, cigarros, água, um telefone celular para falar com a mãe e até extintores de incêndio. A polícia suspeita que ele pretendia criar uma cortina de fumaça para a fuga.
 
Hoje pela manhã, o padre Nelson Ferreira, da Pastoral Carcerária de Campinas, havia se disponibilizado para entrar na casa em troca da libertação de uma das crianças. À tarde, o padre Luís Roberto Teixeira também se ofereceu para ser trocado por um dos reféns.
 
As negociações foram retomadas no início da tarde de hoje com a ajuda de uma mulher que, segundo a polícia, é uma pessoa muito próxima ao suspeito e que teria laços afetivos com ele. Ela entrou na casa e permaneceu lá durante horas conversando com Salles. De acordo com a polícia, ela foi fundamental para o fim do seqüestro.
 
 
 
Terra Redação
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO
Mulher desaparecida foi encontrada enterrada com braço para fora em canavial
TRAGEDIA NA RODOVIA
Violenta colisão entre caminhões mata os dois motoristas
ACIDENTE EM RIO
Barco com seis pessoas vira no Rio. Duas estão desaparecidas
TRISTEZA
Populares encontram corpo de criança desaparecida dentro de córrego
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Reforma da Previdência dos militares pode aumentar salários em até 75%
CENTENÁRIO
Aos 92 anos, Cid Moreira participa de festa pelo centenário de Orlando Drummond
POLEMICA
Sobrinho-neto do pastor Malafaia diz que família o mandou para cura gay: 'Um terror psicológico'
DOENÇA DO SÉCULO
Nego do Borel passa a limpo polêmicas em que se envolveu: Deus não me deixou entrar em depressão
MS FORTE
MS sobe duas posições no Ranking da Competitividade e é 2º em crescimento no cenário nacional
NOVELA GLOBAL
A Dona do Pedaço: Maria da Paz dá rasteira em Fabiana