Menu
SADER_FULL
sábado, 19 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Campanha de vacinação vai durar duas semanas

17 Ago 2004 - 07h54
O ministro da Saúde, Humberto Costa, disse hoje que a Campanha Nacional de Vacinação contra a poliomielite (paralisia infantil), o sarampo, a rubéola e a caxumba vai durar duas semanas para evitar filas nos postos de saúde.

“Como a vacina do sarampo não é apenas uma gotinha, mas uma injeção, ela demora um pouco mais para sua administração. Fazer a campanha em um único dia significaria que teríamos filas enormes e até mesmo deixaríamos de vacinar uma parcela expressiva da população. Por isso, todas unidades que vão vacinar estarão abertas durante esse período de 21 de agosto a 3 de setembro”, disse.

Segundo Humberto Costa, a expectativa do Ministério da Saúde é muito positiva. “Estamos convocando a população para que leve todas as crianças de zero a cinco anos para se submeterem à vacinação. O Brasil, já há alguns anos, não tem casos internos de sarampo e manter as crianças vacinadas é a garantia de que nós vamos poder erradicar o sarampo num espaço de tempo curto”, afirmou.
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos
LUTO NA MÚSICA
Cantor sertanejo Marciano morre aos 67 anos, vítima de enfarto
CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares