Menu
SADER_FULL
sábado, 25 de janeiro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

Caminhoneiros ameaçam entrar em greve no dia 25

5 Jul 2004 - 08h06
Exatamente cinco anos depois de os caminhoneiros brasileiros terem parado o País em uma greve nacional, que prejudicou o suprimento de alimentos e combustíveis, além de ter ameaçado a economia, o setor voltou a pressionar fortemente o governo. Panfletos já estão sendo distribuídos nas estradas federais conclamando para uma paralisação de 72 horas no próximo dia 25. Desde 24 de junho motoristas e empresários se uniram na Frente Nacional do Transporte Rodoviário, e, mais fortalecido, o movimento elaborou uma lista de 11 reivindicações.
"Não dá mais para aguardar soluções para nossos problemas principais", avisa o presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva, o China, um dos representantes da Frente. Temendo um "paradão" como o de julho de 1999, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva se antecipou ao problema e já está negociando. O primeiro gesto público será um encontro entre o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, e representantes da Frente, marcado para amanhã, no seu gabinete.
A estratégia é mostrar que o governo do PT apoia as reivindicações, vai negociar e quer achar soluções. "Estamos tão interessados em resolver os problemas do setor quanto eles", diz o secretário de Política Nacional de Transportes, do Ministério dos Transportes, José Augusto Valente. "Agora tem diálogo e interesse comum". Com isso, as autoridades querem isolar as lideranças mais radicais e esvaziar a possibilidade de greve. Se ela ocorrer não seria um problema pequeno: 60% das mercadorias do País se movimentam pelas estradas.
As principais reivindicações são rodovias recuperadas, melhores financiamentos e condições de trabalho. Os caminhoneiros pedem também a aplicação da Contribuição sobre Intervenção do Domínio Econômico (Cide) para a recuperação das estradas. O governo responde que já foram liberados R$ 2,7 bilhões para obras em 7 mil quilômetros. Outro pedido é uma nova linha de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para renovação da frota de caminhões. "As linhas disponíveis são muito ruins, queremos o mesmo tratamento dada aos taxistas; nossa frota está acabada", diz China. (AE).

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUPERAÇÃO
Ser diagnosticado 5 vezes com câncer em 15 anos não foi capaz de parar campeão paralímpico
SUSTO
Palco de Gusttavo Lima pega fogo durante show em Pernambuco
É MUITO PLÁSTICO
Brasil produz mais de 11 milhões de toneladas de lixo plástico
CASOS RAROS
Duas crianças morrem em uma semana, após sofrer AVC, preocupa classe médica
REALITY SHOW 2020
Participante do BBB20, médica sugeriu que mataria Dilma “em seu plantão”
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Três crianças morrem e uma mulher fica ferida durante incêndio em casarão
ESPORTE 2020
Opção de 'Cashout' atrai apostadores iniciantes
FUTEBOL 2020
Coritiba anuncia novo patrocinador máster para 2020
DOENÇA INFECCIOSA
Presos que estavam sendo 'comidos vivos' por doença são internados
HABITAÇÃO
Prefeita troca carnaval por doação de 52 moradias populares e ajuda a famílias carentes