Menu
LIMIT ACADEMIA
sexta, 17 de agosto de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Câmara avalia 30 projetos sobre propaganda eleitoral

17 Ago 2004 - 18h05
Começa nesta terça-feira em todo o País, à exceção de Brasília, a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão. No próximo dia 3 de outubro ocorrem as eleições municipais em 5563 cidades brasileiras que vão escolher os futuros prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, aproximadamente 120 milhões de brasileiros irão às urnas eleger seus novos representantes locais.
Na Câmara, tramitam cerca de 30 projetos que alteram a propaganda eleitoral no rádio e na televisão. Seis deles (PL 709/99, PL 1024/99, PL 4679/98, PL 4081/01, PL 4149/01, PL 5618/01) querem obrigar as emissoras de TV a tornar a propaganda acessível aos portadores de deficiência auditiva. Os projetos exigem o uso de legendas ou da linguagem de sinais.
Outra preocupação dos deputados é evitar que a publicidade comercial afete a propaganda eleitoral. Um exemplo disso é quando o código de operadoras de telefonia coincide com o número de um candidato. Por isso, o deputado Welinton Fagundes (PL-MT) quer proibir os comerciais dessas empresas durante o período de propaganda eleitoral (PL 4912/01).
O deputado Jovair Arantes (PTB-GO) foi mais além: apresentou projeto (PL 4724/01) que proíbe, no tempo gratuito de rádio e TV, o uso de frases e slogans publicitários.

Cotas para mulheres
Outra modificação na propaganda eleitoral proposta na Câmara é relativa às mulheres, que têm a garantia, por lei, de representar 30% dos candidatos de cada chapa. Como a cota não é cumprida, as deputadas Iara Bernardi (PT-SP) e Luiza Erundina (PSB-SP) apresentaram projetos que destinam parte do tempo de propaganda gratuita para divulgar esse direito (PLs 418/99 e 6216/02).

Redução do tempo
Existem ainda propostas que reduzem o tempo de propaganda eleitoral. É o caso dos projetos do deputados do Coriolano Sales (PFL-BA) e Inocêncio Oliveira (PFL-PE), que impõem um limite de 30 dias (PLs 3868/00 e 133/03). O argumento é de que 45 dias tornam as campanhas na mídia caras. Além disso, o período menor de propaganda pode liberar os candidatos para o corpo-a-corpo nas ruas e agilizar os programas, já que os candidatos teriam que condensar as propostas.
Outro projeto, apresentado pelo presidente da Câmara, João Paulo Cunha, obriga as TVs por assinatura a transmitirem também a propaganda eleitoral (PL 3307/00). Também para elevar a penetração da propaganda eleitoral, o deputado Ronaldo Vasconcellos (PTB-MG) apresentou projeto que obriga as emissoras de rádio e TV a transmitirem os debates entre candidatos para o Poder Executivo.

Pesquisa
De acordo com pesquisa divulgada pela CNT/ Sensus de junho passado, em períodos eleitorais, cerca de 53% da população utilizam-se da televisão para definir em quem votar. Já os comícios são citados por apenas 8% dos eleitores como fonte de informação para definição de voto.
 
 
 
AGência Câmara

Deixe seu Comentário

Leia Também

CRIME PASSIONAL
Marido flagra esposa com suposto amante e caso termina em morte
NOVELA GLOBAL
Remy pode não ter morrido em 'Segundo sol'; veja os indícios
TECNOLOGIA
Segunda via do RG pode ser solicitada pela internet
BOA AÇÃO
Empresário curado faz doação milionária para hospital público
VIOLENCIA
Homem desce do carro e mata mulher com tiro a queima roupa
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Laureta confessa que matou Remy; Karola foi cúmplice
PRESO EM 2010
Morre o homem apontado como maior contrabandista de cigarros do País
ELEIÇÕES 2018 - REGISTRO FEITO
AGORA: PT registra candidatura de Lula e tem até 17 de setembro para trocar candidato
BRIGA DE FAMILIA
Briga de irmãos termina com faca cravada na cabeça de jovem adolescente
NOVELA GLOBAL
Em 'Segundo sol', Zefa rompe com Severo: 'Você não merece nada de bom de mim!'