Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 17 de novembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Câmara aprova criação do Programa “Mãe Canguru” em Campo Grande

2 Jun 2010 - 15h52Por Fátima News com Assessoria

Por unanimidade do plenário, a Câmara Municipal de Campo Grande aprovou, em primeiro turno de votação, o Projeto de Lei nº 6.816/10 que prevê a criação do Programa Mãe Canguru, no atendimento ao recém nascido de baixo peso em todos os Hospitais e Maternidades pertencentes à rede Municipal de Saúde de Campo Grande, de autoria da líder do Partido da República, vereadora Grazielle Machado.

 

Em sua defesa, Grazielle Machado argumentou que a criação do Programa em âmbito municipal terá baixo custo ao Poder Público e, se refletirá de forma significativa as mães campo-grandenses. A republicana acrescentou que o Programa já em fase de implantação nos quatro hospitais que prestam assistência à gestação de alto risco no Estado deverá oferecer no período de 26 a 30 de julho de 2010, o curso “Método Canguru”, para 30 profissionais que prestam atendimentos ao recém nascido de baixo peso. A iniciativa do curso é uma parceria do Ministério da Saúde em conjunto com a Secretaria Estadual de Saúde e o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul.

 

Uma emenda aditiva de autoria do vereador Dr. Loester (PDT), foi acoplada ao texto original determinando a implantação do método em Unidade Básicas de Saúde que oferecem o atendimento à população pelo SUS, o Sistema Único de Saúde.

 

O Método

 

 

O Método Mãe Canguru, criado em 1979 na cidade de Bogotá na Colômbia, é um tipo de assistência neonatal que implica em contato direto entre os pais e o recém-nascido de baixo peso, de forma crescente e pelo tempo que ambos entenderem ser suficiente, permitindo dessa forma uma participação maior dos pais no cuidado com o recém-nascido. Na prática, o programa é constituído por três etapas.

 

A primeira é realizada na unidade intensiva, dependendo das condições clínicas do recém-nascido, o mais cedo possível, é iniciado o contato pele a pele entre a mãe e a criança, progredindo até a colocação do bebê sobre o tórax da mãe ou do pai. Nesta etapa, os pais deverão ser orientados sobre as condições de saúde da criança, os procedimentos hospitalares, as vantagens do Método Canguru e o estímulo à amamentação.

 

Já na segunda etapa, o recém-nascido encontra-se estabilizado e poderá ficar com acompanhamento contínuo de sua mãe. Nesta etapa, após o período de adaptação e treinamento realizados na etapa anterior, a mãe e a criança estarão aptas a permanecer em enfermaria conjunta, onde a posição canguru será realizada pelo maior tempo possível.

 

 Na terceira etapa, a alta hospitalar com acompanhamento ambulatorial, só poderá ocorrer se a criança estiver com um peso mínimo de 1.600g, clinicamente estável e ganhando peso em aleitamento materno exclusivo.

 

Antes da regulamentação, o Projeto deverá voltar à pauta para votação em segundo turno.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto