Menu
CACAU SHOW FÁTIMA DO SUL 0
terça, 22 de outubro de 2019
CÂMARA BONITO OUTUBRO 2019
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Cachaça vira produto 'chique' e ganha mercado no exterior

13 Abr 2007 - 10h47

Considerada a prima pobre entre as grandes bebidas, a cachaça tem passado por uma "revolução". Com pesados investimentos em marketing e qualidade, o produto está se tornando um produto de grife e ganhando as prateleiras no exterior.

"O nome cachaça hoje é um toque de requinte. Cachaça hoje é uma coisa muito nobre, muito chique, muito elegante de beber", afirma César Rosa, presidente do Instituto Brasileiro da Cachaça.

O Brasil embarca hoje para o exterior 12 milhões de litros de cachaça por ano. Há sete anos, era exportada apenas metade desse volume. Diante da produção nacional, de 1 bilhão de litros, a exportação ainda é pequena, mas os empresários acreditam que esse é um mercado muito promissor.

 Investimentos

Para Maria das Vitórias Cavalcanti, diretora de relações internacionais da Pitu – uma das principais exportadoras de cachaça a granel do Brasil – a presença das garrafas da marca nas lojas de duty free da Europa é um passo importante para a expansão desse mercado. "É uma vitrine muito grande. Vendemos muito bem no exterior usando a própria marca – é assim que estamos abrindo novos mercados", afirma. A empresa engarrafa cachaça na Alemanha desde 1971.

Outra marca brasileira, a Sagatiba, também faz sucesso no exterior. A empresa, que exporta a cachaça já pronta para consumo, aposta no marketing para crescer. Uma das estratégias é a degustação diferenciada feita em supermercados. "Normalmente dão destilado puro para você degustar. A gente desenvolveu um formato novo onde a gente coloca o barman no supermercado fazendo", diz Lucas Rodas, diretor internacional da empresa. "Isso tem tido um resultado fenomenal".

Com o sucesso da exportação, outras empresas também estão se aventurando nesse ramo. Com cerca de 90 franquias no Brasil, a Cachaçaria Água Doce está acertando os detalhes para abrir a primeira loja no exterior. O alvo é a Argentina, mas a empresa já tem planos mais ambiciosos. "Mas nós estamos com três estudos prontos – Espanha, Itália e Portugal", comemora o empresário Delfino Golfeto.

 Regulamentação ainda é entrave

Os produtores brasileiros ainda reivindicam, junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), a chamada DOC – denominação de origem controlada. O título transformaria a bebida em exclusividade brasileira – assim como a tequila é uma marca mexicana e a champagne é exclusiva da França.

Os fabricantes também negociam a mudança da classificação da bebida nos Estados Unidos - país que importa quase 2 milhões de litros de cachaça todos os anos. Segundo César Rosa, presidente do instituto brasileiro da cachaça, aquele país classifica a cachaça como rum, o que eleva a tributação incidente sobre o produto. "Isso tira nossa competitividade na geração de recursos para investimento", diz.

 

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALVO DA CPI
"Relógios da Energisa marcam 40% a mais que consumo real", diz técnico do IPEM
CAMPO BELO RESORT - ESCOLAS NO PARAÍSO
Alô Escolas, organizem suas caravanas e bora para o Campo Belo Resort, Confira
SUSTO
Homem explode quintal ao tentar matar baratas no Paraná. VEJA O VÍDEO
CRIMINOSOS
Bandidos matam rapaz, invadem igreja e roubam veículo
ABUSO SEXUAL
Adolescente foge de casa após ser estuprada várias vezes por padrasto
NOVELA GLOBAL
Josiane apanha e perde um dente na cadeia em 'A dona do pedaço'
FENOMENO DA NATUREZA
Chuva de meteoros cruza o céu na madrugada desta terça-feira (22)
FAMOSOS
Vítima de gordofobia, Cleo expõe parte mínima do corpo em clique sexy
ENEM 2019
Veja 13 temas de redação que podem cair no Enem 2019
TRAGÉDIA NA 2ª FEIRA
Acidente entre três veículos deixa um morto e dois em estado grave