Menu
SADER_FULL
sábado, 25 de janeiro de 2020
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
BANNER BET
Brasil

Bush defende Guerra do Iraque após relatório do Senado

12 Jul 2004 - 15h35
Mesmo sem descobrir armas de destruição em massa no Iraque, o presidente americano, George W. Bush, defendeu vigorosamente sua estratégia contra o terrorismo nesta segunda-feira, afirmando que a guerra contra o país foi correta e que os EUA ganharam significativas vitórias diplomáticas nas causas da paz mundial e da segurança.

"Apesar de não termos encontrados armas de destruição em massa, estávamos certos em ir ao Iraque", afirmou Bush no Tennessee (sul).

"Nós removemos um inimigo declarado da América que tinha a capacidade de produzir armas de assassinatos em massa e pode ter passado essa capacidade aos terroristas empenhados em consegui-las", acrescentou. "No mundo após o 11 de Setembro, era um risco que não poderíamos nos permitir", disse o presidente.

Bush já fez observações semelhantes muitas vezes. Porém, segundo o jornal "The New York Times", o discurso de hoje foi mais significativo devido ao relatório lançado, na semana passada, pelo Comitê de Inteligência do Senado.

De acordo com o jornal, o relatório concluiu que a "estrada" para a guerra no Iraque era calçada de informações falhas que exageraram o perigo das armas mortais nas mãos do ex-ditador Saddam Hussein.

Até hoje, nenhuma arma de destruição em massa foi encontrada no Iraque. Na semana passada, o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, admitiu que armas biológicas e químicas talvez nunca serão encontradas naquele país.

"Sabemos que Saddam tinha armas de destruição em massa, mas sabemos que não as encontramos", disse Blair a um comitê de parlamentares. "Tenho que aceitar que não encontramos as armas, que talvez não as encontremos", acrescentou o primeiro-ministro.

Armas

Bush disse que antigos presidentes já haviam reparado que Saddam era uma ameaça, e que havia uma preocupação internacional sobre a posse ou o desenvolvimento de armas químicas, biológicas e nucleares por parte do ex-ditador.

"Em 2002, o Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) já havia exigido uma completa apresentação dos programas de armas de Saddam Hussein", disse Bush. De acordo com o presidente, Saddam se recusou a cumprir.

Bush também defendeu a CIA (agência de inteligência americana), cujas análises e informações foram duramente criticadas pelo Comitê de Inteligência do Senado. O presidente dos EUA afirmou que o "excelente trabalho realizado pela CIA" ajudou a parar o desenvolvimento das armas nucleares.

No discurso de hoje, o presidente tentou dissipar a idéia de que os EUA se tornaram uma nação arrogante. "Estamos protegendo a paz trabalhando com amigos, aliados e instituições internacionais para isolar e confrontar os terroristas e regimes fora-da-lei".
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ATENTADO
Casa de deputado é atacada com pelo menos 30 tiros de fuzil
SUPERAÇÃO
Ser diagnosticado 5 vezes com câncer em 15 anos não foi capaz de parar campeão paralímpico
SUSTO
Palco de Gusttavo Lima pega fogo durante show em Pernambuco
É MUITO PLÁSTICO
Brasil produz mais de 11 milhões de toneladas de lixo plástico
CASOS RAROS
Duas crianças morrem em uma semana, após sofrer AVC, preocupa classe médica
REALITY SHOW 2020
Participante do BBB20, médica sugeriu que mataria Dilma “em seu plantão”
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Três crianças morrem e uma mulher fica ferida durante incêndio em casarão
ESPORTE 2020
Opção de 'Cashout' atrai apostadores iniciantes
FUTEBOL 2020
Coritiba anuncia novo patrocinador máster para 2020
DOENÇA INFECCIOSA
Presos que estavam sendo 'comidos vivos' por doença são internados