Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 15 de novembro de 2019
SADER_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Bush defende Guerra do Iraque após relatório do Senado

12 Jul 2004 - 15h35
Mesmo sem descobrir armas de destruição em massa no Iraque, o presidente americano, George W. Bush, defendeu vigorosamente sua estratégia contra o terrorismo nesta segunda-feira, afirmando que a guerra contra o país foi correta e que os EUA ganharam significativas vitórias diplomáticas nas causas da paz mundial e da segurança.

"Apesar de não termos encontrados armas de destruição em massa, estávamos certos em ir ao Iraque", afirmou Bush no Tennessee (sul).

"Nós removemos um inimigo declarado da América que tinha a capacidade de produzir armas de assassinatos em massa e pode ter passado essa capacidade aos terroristas empenhados em consegui-las", acrescentou. "No mundo após o 11 de Setembro, era um risco que não poderíamos nos permitir", disse o presidente.

Bush já fez observações semelhantes muitas vezes. Porém, segundo o jornal "The New York Times", o discurso de hoje foi mais significativo devido ao relatório lançado, na semana passada, pelo Comitê de Inteligência do Senado.

De acordo com o jornal, o relatório concluiu que a "estrada" para a guerra no Iraque era calçada de informações falhas que exageraram o perigo das armas mortais nas mãos do ex-ditador Saddam Hussein.

Até hoje, nenhuma arma de destruição em massa foi encontrada no Iraque. Na semana passada, o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, admitiu que armas biológicas e químicas talvez nunca serão encontradas naquele país.

"Sabemos que Saddam tinha armas de destruição em massa, mas sabemos que não as encontramos", disse Blair a um comitê de parlamentares. "Tenho que aceitar que não encontramos as armas, que talvez não as encontremos", acrescentou o primeiro-ministro.

Armas

Bush disse que antigos presidentes já haviam reparado que Saddam era uma ameaça, e que havia uma preocupação internacional sobre a posse ou o desenvolvimento de armas químicas, biológicas e nucleares por parte do ex-ditador.

"Em 2002, o Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) já havia exigido uma completa apresentação dos programas de armas de Saddam Hussein", disse Bush. De acordo com o presidente, Saddam se recusou a cumprir.

Bush também defendeu a CIA (agência de inteligência americana), cujas análises e informações foram duramente criticadas pelo Comitê de Inteligência do Senado. O presidente dos EUA afirmou que o "excelente trabalho realizado pela CIA" ajudou a parar o desenvolvimento das armas nucleares.

No discurso de hoje, o presidente tentou dissipar a idéia de que os EUA se tornaram uma nação arrogante. "Estamos protegendo a paz trabalhando com amigos, aliados e instituições internacionais para isolar e confrontar os terroristas e regimes fora-da-lei".
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL BRASILEIRO
Santos precisa se esforçar mais para evitar a perda de uma peça tão importante como Jorge Sampaoli
AUMENTO DE LIMITE
Portaria que aumenta limite de compras no Paraguai é publicada, Confira novo valor
ENSINO ESTADUAL
Em escola, criança é impedida de ir ao banheiro e defeca na roupa
FORÇA DE VONTADE
Mulher proibida de estudar pelo ex-marido faz Enem e retoma sonho
JUSTIÇA
Suspeito de ameaçar Simone e Simaria nas redes sociais é preso no Rio Grande do Sul
RELACIONAMENTO AGRESSIVO
Vanessa Jackson relata agressões do ex-marido: "Tapava minha respiração até eu desmaiar"
ESCÂNDALO
Anitta curte balada em Las Vegas e deixa bumbum à mostra com look transparente
SONHO REALIZADO
Sinha Flor de Fátima do Sul ajuda noivos realizarem sonho em Santiago do Chile
MAGIA NEGRA
Bonecas penduradas em árvores e em cruz assustam moradores
BRASILEIRÃO
Flamengo só poderá ser campeão brasileiro após final da Libertadores; entenda