Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 21 de abril de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Brasileiro trabalha menos que chinês e europeu do Leste

18 Out 2004 - 15h49

O Brasil é um país menos atraente para investimentos estrangeiros do que a China e nações do Leste Europeu e, conseqüentemente, pode perder negócios para essas regiões no futuro próximo.

Essa conclusão é da consultoria alemã Roland Berger, que divulgou nesta segunda-feira o relatório O Crescimento da China e a Ampliação da União Européia - Conseqüências para o Brasil.

No estudo, os consultores afirmam que os brasileiros trabalham menos horas por ano (1.869 horas/ano) do que os chineses e os trabalhadores de vários países do Leste Europeu.

Os húngaros, por exemplo, recordistas em horas de trabalho na região, trabalham nada menos do que 2.012 horas por ano.

Na China, a média é um pouco mais baixa: 1.958 horas por ano, ou seja, mais de cem horas por ano a mais que o Brasil.

Na Polônia, a média de trabalho fica em 1.901 horas por ano, segundo o estudo.

Outro fator que faria da China e do Leste Europeu mercados mais atraentes aos olhos dos investidores internacionais é o preço da mão-de-obra: o trabalhador brasileiro é mais caro do que o chinês e o do Leste Europeu.

Motivação

Na comparação direta, a mão-de-obra no Brasil é três vezes mais cara do que a da China.

A mão-de-obra brasileira sai a US$ 3,19 por hora, de acordo com a Roland Berger, enquanto o trabalhador chinês custa, em média, US$ 1,04. A média paga nos países do Leste Europeu fica em US$ 2,76, mas em alguns países é bem mais baixa. Na Romênia, o custo não passa de US$ 0,94 por hora.

O Brasil também fica atrás no quesito motivação. O estudo afirma ainda que os trabalhadores chineses e do Leste Europeu são mais motivados do que os brasileiros.

A Roland Berger destaca ainda que a China e o Leste Europeu têm uma grande oferta de mão-de-obra de alto nível. Por exemplo, de cientistas, matemáticos e engenheiros.

No entanto, o relatório da consultoria alemã não traz apenas más notícias para o Brasil.

Se por um lado o país é visto como destino menos atraente para investimentos estrangeiros, por outro pode se beneficiar do crescimento dos concorrentes para aumentar suas exportações.

Aumentos

O documento destaca, por exemplo, que o país quadruplicou as suas exportações para a China nos últimos quatro anos.

Já o Leste Europeu ainda é um alvo pouco explorado pelos exportadores brasileiros, mostra o levantamento.

Além disso, as taxas de crescimento econômico da América Latina continuam acima das registradas nos países do chamado Primeiro Mundo.

Ainda como oportunidades, a consultoria diz que o Brasil pode reduzir a sua dependência do mercado regional e ampliar a participação no mercado global.

Segundo o relatório, a participação das exportações no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil ainda é pequena, em comparação com os vizinhos. A fatia brasileira é de 16,9%, menor do que a da Argentina (25%), a do México (28,4%) e a do Chile (36,4%).

 

 

Invertia

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - DICA AGÊNCIA ECO TOUR
Confira agora os 5 passeios mais românticos de Bonito (MS)
EM ÁUDIO VAZADO
Em áudio, Onyx diz que governo deu 'uma trava na Petrobras', caminhoneiros podem ficar sossegados
EMOÇÃO E RECOMEÇO
Mãe e filho se reencontram em hospital após desabamento de prédios
ACIDENTE FATAL
Três morrem em explosão provocada por vazamento de botijão de gás
NOVA PARALISAÇÃO
Ala dividida de caminhoneiros falam em greve no próximo dia 29 em todo o Brasil
CAMPO BELO RESORT - PARAÍSO É AQUI
Com noite Árabe e Italiana, PACOTE do dia 03 a 05 de maio já disponível para o Campo Belo Resort
NEGLIGÊNCIA FUNCIONAL
Menino de 12 anos foge de casa, burla esquema de segurança e embarca em avião
DEU RUIM
Vítima reage e mata assaltante que tentava roubar camioneta em Toledo – ASSISTA VÍDEO
PAI MONSTRO
Pai é preso suspeito de estuprar e engravidar a filha de 11 anos
15 METROS DE ALTURA
MILAGRE – Menina de um ano que caiu do 4º andar de prédio não sofreu nenhuma fratura