Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 17 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Brasileiras tentam ir à 1ª final olímpica do vôlei feminina

26 Ago 2004 - 10h09
A seleção feminina de vôlei tenta às 13h30 desta quinta-feira um feito inédito: atingir sua primeira final olímpica. Nas três últimas edições, a equipe caiu nas semifinais.

Antes da vitória de terça-feira, no mata-mata de quartas-de-final, o técnico José Roberto Guimarães falou às jogadoras que a partida era "a primeira de três finais" na Olimpíada de Atenas.

"A primeira foi contra os EUA. Contra a Rússia, vai ser uma outra final", declarou Zé Roberto.

Para quebrar o tabu e enfim entrar em quadra na partida decisiva, que será no sábado, o Brasil tem que derrotar no Estádio da Paz e Amizade uma rival nada camarada nos últimos anos.

A seleção comandada pelo impertinente Nikolai Karpol, atual vice-campeã olímpica e sexta no ranking mundial, tem feito do Brasil um saco de pancadas: desde 2000, em sete confrontos, a equipe nacional obteve uma única vitória, no Grand Prix-2002.

Nesse mesmo período, além da Rússia, o Brasil só acumula, diante das seleções que se classificaram para a Olimpíada grega, desvantagem no confronto direto diante da China. Mesmo assim, a diferença não é elástica: 6 a 4.

O péssimo aproveitamento de 14% contra as russas será combatido pelo excelente desempenho de Zé Roberto, que enfrentará pela primeira vez o rival desta quinta-feira.

Desde que assumiu, no ano passado, comandou o time em 30 jogos oficiais. Foram 28 vitórias --percentual de 93%. As derrotas foram para China e Cuba.

Alheias aos números, as jogadoras brasileiras procuraram ontem se recobrar do esforço empreendido nos 3 a 2 contra os EUA, que durou mais de duas horas.

"Temos que recuperar nossa integridade física, pois contra a Rússia precisaremos de muita força para bloquear", disse a levantadora Fernanda Venturini no início da tarde, antes de uma sessão de massagem e relaxamento.

Ela lembrou que a Rússia concentra seu jogo em duas atletas: Gamova, 2,04 m (a mais alta desta Olimpíada), e Sokolova, 1,94 m --são também as duas maiores pontuadoras dos Jogos, com 139 e 115 pontos, respectivamente. Érika, a melhor do Brasil, fez 86.

As russas são o paredão mais letal da competição (2,9 pontos de bloqueio por set). As brasileiras conseguem, em média, 2 pontos no fundamento por set.

Em Atenas, o Brasil, vice-líder do ranking mundial, está invicto em seis jogos (passou por Japão, Quênia, Itália, Grécia, Coréia do Sul e EUA). A Rússia tem quatro vitórias (República Dominicana, Alemanha, EUA e Coréia do Sul) e duas derrotas (Cuba e China).

Cuba e China, aliás, fazem a outra semifinal, na seqüência de Brasil x Rússia. As cubanas são as atuais tricampeãs olímpicas.

Em Atlanta-96 e em Sydney-00, o Brasil ficou com o bronze. A meta de Zé Roberto para esta Olimpíada é ao menos repetir as últimas performances.

Uma vitória nesta quinta terá, assim, sabor de missão cumprida.

"O objetivo é, sim, chegar à final. Vamos pensar na Rússia para, depois, pensar no tão sonhado ouro. Não adianta antecipar as coisas", disse Fernanda, bronze em Atlanta-96 sob o comando de Bernardinho, seu marido e técnico da seleção masculina.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras
GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'