Menu
SADER_FULL
quinta, 24 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Brasil tem 4 milhões no trabalho infantil, diz pesquisa

15 Jun 2010 - 10h52Por Campo Grande News

Apesar de a legislação brasileira proibir o trabalho infantil, o universo de pequenos empregados ainda é alarmante no país. Levantamentos mais recentes, como os do Ministério Público, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), apontam que, em 2008, mais de 4 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos estavam trabalhando no Brasil, tanto no campo como nas cidades.

A Constituição permite o trabalho na faixa etária de 14 a 16 anos apenas na condição de aprendiz.

O presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 1ª Região, André Vilella, reconhece que houve uma redução do trabalho infantil, mas considera que o número ainda é muito alto. Segundo Vilella, esse cenário é resultado de uma cultura que precisa ser mudada, de famílias que alegam a necessidade de complementação de renda.

“A justificativa econômica não pode suplantar o fato de que a gente está lidando com uma criança que está em formação e que não é para ser tratada como se fosse um adulto. Colocar essa criança para trabalhar é inseri-la em uma sociedade que é destinada ao adulto. Se ela é inserida no mercado de trabalho muito cedo, vai deixar de ter condições de, quando for adulta, se apresentar para um trabalho digno”, destaca Vilella.

Para o magistrado, o lugar da criança é na escola, mas é preciso garantir políticas de educação de qualidade. “Por pior que possamos considerar qualquer tipo de política educacional, ainda é melhor do que deixar a criança na rua. No processo da rua essa criança vai ser brutalizada pelo sistema e a tendência é que ela seja marginalizada. No processo de educação, por mais falho que seja, ela tem chance de crescimento maior.”

O pesquisador Simon Schwartzman, presidente do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), defende uma flexibilização das leis brasileiras, já que, segundo ele, em muitos casos o trabalho pode não atrapalhar os estudos, a exemplo do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa.

“Certamente você não pode ter uma criança de 10 anos trabalhando oito horas por dia, num trabalho manual que não a deixa estudar. Mas, por outro lado, um adolescente que em algumas horas por dia ajuda a família não tem porque ser proibido. Isso pode ser compatível com o estudo também. Garantir o estudo é fundamental. Você não pode permitir o trabalho de oito horas, insalubre, mas o trabalho parcial associado à família e que não impede e prejudique o estudo não tem por que proibir”, defendeu Schwartzman.

Entre 2007 e 2009, o Ministério do Trabalho e Emprego realizou mais de 3 mil ações fiscais no país, regularizando a situação de 16.894 crianças e adolescentes.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BBB 19
Vanderson é eliminado e vai prestar depoimentos sobre casos de agressão
INVESTIGAÇÃO
Mourão volta a dizer que é preciso investigar Flávio Bolsonaro e punir se for o caso
HEROI
Porteiro ganha homenagem: salvou criança de 3 anos que caiu na piscina (VIDEO)
FAMOSIDADES
Aos 67 anos, Amado Batista assume namoro com jovem de 19 anos de idade
LUTO - TV
Ator Caio Junqueira morre no Rio uma semana após acidente
ANJO DA GUARDA
Amigo dá lar a mulher que viveu 40 anos internada no HC
MAMATA
General corta contratinho de R$ 30 milhões para manter jornalistas no exterior
PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes