Menu
SADER_FULL
quinta, 15 de novembro de 2018
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Brasil sobe no ranking do PIB e ultrapassa US$ 1 trilhão

29 Mar 2007 - 04h38
A revisão dos resultados do Produto Interno Bruto de 2006 nesta quarta-feira, 28, pela nova metodologia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), manteve o País na 10ª colocação entre as maiores economias mundiais, mas elevou o Brasil do 18º para o 15º lugar no ranking dos maiores crescimentos econômicos da América Latina.

Com um crescimento de 3,7%, no ano passado, o Brasil ultrapassou Paraguai e El Salvador, ambos com expansão do PIB de 3,5%, e a Nicarágua, que também obteve um crescimento de 3,7%, mas, pelo critério de desempate do Fundo Monetário Internacional - a ordem alfabética -, ficou atrás do Brasil. Pela antiga metodologia, que apontava um crescimento 2,9%, o Brasil estava na 18ª colocação, à frente apenas do Haiti, com 2,3%.

A liderança na expansão do PIB na América Latina em 2006 foi da Argentina, com crescimento de 8%; seguida pela Venezuela, com 7,5%; e Costa Rica e Panamá, ambos com 6,5%.

"A revisão ajuda na atração de investimentos, mostrando para os investidores que o Brasil tem capacidade de dar um retorno maior", disse o economista-chefe da consultoria Austin Rating, Alex Agostini, acrescentando que o resultado surpreendeu porque ficou acima da média das expectativas, que apontavam para uma revisão entre 3% e 3,5%. "É uma surpresa positiva", salientou.

Em nível mundial, o Brasil não avançou no ranking das maiores economias, mas o novo resultado do PIB fez o País ultrapassar, pela primeira vez, a casa de US$ 1 trilhão, atingindo US$ 1,067 trilhão. Dessa forma, o PIB brasileiro passa a representar 2,2% das riquezas produzidas no mundo. O PIB mundial atingiu em 2006 US$ 47.915 trilhões, sendo que os dez maiores representam 69% desse total e os vinte maiores, 83%.

Oitava economia

A expectativa de Agostini é de que, mantido o ritmo de crescimento da economia e os índices de inflação, superiores aos da Espanha e do Canadá, até 2010 o Brasil passe a ser a oitava economia do mundo. Ele ressalva, porém, que a Rússia também segue com taxas de crescimento e de inflação muito superiores às do Brasil. Segundo ele, a taxa de inflação ajuda a inflar o PIB corrente nominal.

Para ele, a revisão melhora a imagem do Brasil no mundo, "no sentido de que estamos aperfeiçoando os métodos de apuração da economia". "Isso revelou que o Brasil tem setores muito mais dinâmicos que tinha como informação no passado. Antes da revisão, não sabíamos que tínhamos um grande dinamismo em setores que não entravam na pesquisa."

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto
TRAGEDIA
Ex-prefeito é morto pelo pai após ser confundido com assaltante
ACIDENTE DE TRANSITO
Caminhão passa por cima de veículos e explode em grave acidente
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Marilda (Letícia Spiller) é flagrada nua e finge ser uma assombração
BNDS
“Se não abrir a caixa preta do BNDES, está fora!”, diz Bolsonaro sobre Levy
FAMOSIDADES
Susana Vieira está com leucemia, mas a doença está controlado, diz assessoria
NOVELA GLOBAL
Marina Ruy Barbosa é a heroína de 'O sétimo guardião': 'Luz foge do tradicional'
CONSTRANGIMENTO
Claudia Leitte quebra silêncio e desabafa sobre polêmica com Silvio Santos