Menu
LIMIT ACADEMIA
quinta, 24 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Brasil sobe no ranking do PIB e ultrapassa US$ 1 trilhão

29 Mar 2007 - 04h38
A revisão dos resultados do Produto Interno Bruto de 2006 nesta quarta-feira, 28, pela nova metodologia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), manteve o País na 10ª colocação entre as maiores economias mundiais, mas elevou o Brasil do 18º para o 15º lugar no ranking dos maiores crescimentos econômicos da América Latina.

Com um crescimento de 3,7%, no ano passado, o Brasil ultrapassou Paraguai e El Salvador, ambos com expansão do PIB de 3,5%, e a Nicarágua, que também obteve um crescimento de 3,7%, mas, pelo critério de desempate do Fundo Monetário Internacional - a ordem alfabética -, ficou atrás do Brasil. Pela antiga metodologia, que apontava um crescimento 2,9%, o Brasil estava na 18ª colocação, à frente apenas do Haiti, com 2,3%.

A liderança na expansão do PIB na América Latina em 2006 foi da Argentina, com crescimento de 8%; seguida pela Venezuela, com 7,5%; e Costa Rica e Panamá, ambos com 6,5%.

"A revisão ajuda na atração de investimentos, mostrando para os investidores que o Brasil tem capacidade de dar um retorno maior", disse o economista-chefe da consultoria Austin Rating, Alex Agostini, acrescentando que o resultado surpreendeu porque ficou acima da média das expectativas, que apontavam para uma revisão entre 3% e 3,5%. "É uma surpresa positiva", salientou.

Em nível mundial, o Brasil não avançou no ranking das maiores economias, mas o novo resultado do PIB fez o País ultrapassar, pela primeira vez, a casa de US$ 1 trilhão, atingindo US$ 1,067 trilhão. Dessa forma, o PIB brasileiro passa a representar 2,2% das riquezas produzidas no mundo. O PIB mundial atingiu em 2006 US$ 47.915 trilhões, sendo que os dez maiores representam 69% desse total e os vinte maiores, 83%.

Oitava economia

A expectativa de Agostini é de que, mantido o ritmo de crescimento da economia e os índices de inflação, superiores aos da Espanha e do Canadá, até 2010 o Brasil passe a ser a oitava economia do mundo. Ele ressalva, porém, que a Rússia também segue com taxas de crescimento e de inflação muito superiores às do Brasil. Segundo ele, a taxa de inflação ajuda a inflar o PIB corrente nominal.

Para ele, a revisão melhora a imagem do Brasil no mundo, "no sentido de que estamos aperfeiçoando os métodos de apuração da economia". "Isso revelou que o Brasil tem setores muito mais dinâmicos que tinha como informação no passado. Antes da revisão, não sabíamos que tínhamos um grande dinamismo em setores que não entravam na pesquisa."

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

SALVAMENTO
Bombeiros realizam resgate emocionante de filhote em tubulação, veja o vídeo
MILIONARIO
Apostador de Teresópolis leva sozinho prêmio de R$ 37,9 milhões da Mega-Sena
CASO MILICIANOS
‘Se Flávio errou, terá de pagar e eu lamento como pai’, diz Bolsonaro sobre novos indícios
PREOCUPANTE
Arábia Saudita barra importação de frango de cinco frigoríficos brasileiros
FUTEBOL
São Paulo e Vasco da Gama farão a final da Copa São Paulo
BBB 19
Vanderson é eliminado e vai prestar depoimentos sobre casos de agressão
INVESTIGAÇÃO
Mourão volta a dizer que é preciso investigar Flávio Bolsonaro e punir se for o caso
HEROI
Porteiro ganha homenagem: salvou criança de 3 anos que caiu na piscina (VIDEO)
FAMOSIDADES
Aos 67 anos, Amado Batista assume namoro com jovem de 19 anos de idade
LUTO - TV
Ator Caio Junqueira morre no Rio uma semana após acidente