Menu
SADER_FULL
sexta, 22 de fevereiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Brasil poderia autofinanciar programas contra HIV com novo método

13 Jul 2010 - 14h45Por Terra
O Brasil e alguns países emergentes como o México poderiam autofinanciar seus programas de luta contra o HIV caso apliquem um novo tratamento, batizado de 2.0, proposto pela Unaids, a agência das Nações Unidas na luta contra a Aids.

O 2.0 é um tratamento que engloba iniciativas para a prevenção do HIV, novas práticas para sua detecção e fórmulas inovadoras para criar remédios mais eficientes, embora nenhuma delas tenha sido aplicada ainda.

"Este tratamento reduziria os custos e o nível tóxico dos anti-retrovirais", combinação que "facilitaria o acesso aos remédios drasticamente", disse Michel Sidibé, diretor-executivo da Unaids, durante a apresentação em Genebra do relatório 2010, preâmbulo da Conferência de Viena sobre aids na próxima semana.

Os países emergentes "deveriam aumentar o orçamento, mas podem conseguir caso renovem o modelo de luta contra a pandemia", sustentou.

Segundo a Unaids, pelo menos dez milhões de mortes causadas pelo vírus do HIV e um milhão de novas infecções poderiam ser evitadas caso o novo tratamento seja aplicado.

"Trata-se de simplificar a maneira na qual atualmente se fornecem os tratamentos contra o HIV e aumentar o acesso a estes remédios", disse Sidibé.

No caso da América Latina, a Unaids estima que, desde 2008, pelo menos 170 mil pessoas foram infectadas pelo HIV, aumentando o número de infectados para cerca de dois milhões.

No entanto, os índices de epidemia nesta região permanecem estáveis, aponta a organização, com uma prevalência de HIV de 0,6%.

Da mesma forma que na América Latina, a pandemia estabilizou-se na maior parte das regiões, embora seus índices sigam aumentando no leste da Europa e no centro da Ásia.

A África Subsaariana continua sendo a região mais afetada do planeta, já que em 2008 registrou 71% das novas infecções mundiais.

Hoje, só cinco milhões dos mais de 15 milhões de infectados com o vírus têm acesso a tratamentos, por isso que a Unaids propõe aos países doadores unirem esforços para criar "pílulas mais simples e menos tóxicas", "melhorar a prevenção" e aumentar "o número de testes de detecção gratuitos".

O estudo, que revela que a prevalência entre os jovens - entre 14 e 25 anos - é a que mais diminuiu nos últimos anos, aponta que pelo menos 60 milhões de pessoas de todo o mundo foram infectadas e 25 milhões morreram devido às chamadas doenças oportunistas que emergem após o contágio.

A proposta da Unaids é que os países apostem forte em um novo modelo de luta, como pode ser o tratamento 2.0 que a organização promove: "uma nova resposta para frear a pandemia", concluiu Sidibé.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'
LARANJADA
Deputados do PSOL distribuem laranjas na chegada de Bolsonaro à Câmara