Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 16 de julho de 2019
SADER_FULL
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

Brasil poderia autofinanciar programas contra HIV com novo método

13 Jul 2010 - 14h45Por Terra
O Brasil e alguns países emergentes como o México poderiam autofinanciar seus programas de luta contra o HIV caso apliquem um novo tratamento, batizado de 2.0, proposto pela Unaids, a agência das Nações Unidas na luta contra a Aids.

O 2.0 é um tratamento que engloba iniciativas para a prevenção do HIV, novas práticas para sua detecção e fórmulas inovadoras para criar remédios mais eficientes, embora nenhuma delas tenha sido aplicada ainda.

"Este tratamento reduziria os custos e o nível tóxico dos anti-retrovirais", combinação que "facilitaria o acesso aos remédios drasticamente", disse Michel Sidibé, diretor-executivo da Unaids, durante a apresentação em Genebra do relatório 2010, preâmbulo da Conferência de Viena sobre aids na próxima semana.

Os países emergentes "deveriam aumentar o orçamento, mas podem conseguir caso renovem o modelo de luta contra a pandemia", sustentou.

Segundo a Unaids, pelo menos dez milhões de mortes causadas pelo vírus do HIV e um milhão de novas infecções poderiam ser evitadas caso o novo tratamento seja aplicado.

"Trata-se de simplificar a maneira na qual atualmente se fornecem os tratamentos contra o HIV e aumentar o acesso a estes remédios", disse Sidibé.

No caso da América Latina, a Unaids estima que, desde 2008, pelo menos 170 mil pessoas foram infectadas pelo HIV, aumentando o número de infectados para cerca de dois milhões.

No entanto, os índices de epidemia nesta região permanecem estáveis, aponta a organização, com uma prevalência de HIV de 0,6%.

Da mesma forma que na América Latina, a pandemia estabilizou-se na maior parte das regiões, embora seus índices sigam aumentando no leste da Europa e no centro da Ásia.

A África Subsaariana continua sendo a região mais afetada do planeta, já que em 2008 registrou 71% das novas infecções mundiais.

Hoje, só cinco milhões dos mais de 15 milhões de infectados com o vírus têm acesso a tratamentos, por isso que a Unaids propõe aos países doadores unirem esforços para criar "pílulas mais simples e menos tóxicas", "melhorar a prevenção" e aumentar "o número de testes de detecção gratuitos".

O estudo, que revela que a prevalência entre os jovens - entre 14 e 25 anos - é a que mais diminuiu nos últimos anos, aponta que pelo menos 60 milhões de pessoas de todo o mundo foram infectadas e 25 milhões morreram devido às chamadas doenças oportunistas que emergem após o contágio.

A proposta da Unaids é que os países apostem forte em um novo modelo de luta, como pode ser o tratamento 2.0 que a organização promove: "uma nova resposta para frear a pandemia", concluiu Sidibé.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGEDIA NA RODOVIA
Morte trágica de três pessoas na PR-082, comove população
BRIGA DE FAMILIA
Pai desfere 15 golpes de facão em filho adolescente
VIOLENCIA DOMESTICA
Pai é morto a marteladas pelo filho um dia antes de aniversário
NÃO QUER QUE ELE USE
Mãe apaga narguilé do filho adolescente e leva chinelada
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que está apaixonado de verdade por Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
VAQUINHA VIRTUAL
Com dinheiro de vaquinha, morador de rua que ajudou idosa durante temporal no Rio compra casa
DURANTE MISSA
Padre Marcelo Rossi cai do altar após ser empurrado em missa
ASSASSINATO
Prefeito é morto a tiros por vereador após discussão
ATROPELAMENTO FATAL
Freira Franciscana coordenadora de catequese morre atropelada por carro
ASSASSINATO
Homem é morto na frente da filha de 11 anos por causa de dívida