Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Brasil entra em alerta contra surto de rubéola

28 Ago 2007 - 05h05
Uma doença que poderia estar erradicada volta a assustar o país. Segundo o Ministério da Saúde, nove estados e o Distrito Federal registram surto de rubéola. As secretarias estão em estado de alerta para a detecção de casos da doença. A vacinação é a única forma de combate, segundo o ministério.
 
Somente em 2007, foram confirmados 1.587 casos. O estado com maior número de registros é o Rio de Janeiro, onde 1.051 casos já foram confirmados. Em seguida, vem o Ceará, com 135; e o Rio Grande do Sul, com 126. São Paulo tem 107 casos; Minas Gerais, 68; Distrito Federal, 30; Espírito Santo, 27; Paraíba, 28; Goiás,12; e Santa Catarina, com 3; completam a lista dos estados que contabilizam pacientes.
 
O número de ocorrências da doença no Brasil vinha caindo de maneira significativa desde 1997, quando foram registrados 32.825 casos, segundo o Ministério da Saúde. Em 2005, o número chegou a 351, mas no ano passado um novo surto foi detectado. "Desde junho de 2006 começamos a observar o início deste atual surto", diz Ricardo Pio Marins, coordenador geral de doenças transmissíveis do Ministério da Saúde.
 
“O surto é gerado por meio de cadeia de transmissão. Os casos são correlacionados”, explica Marins. “80% dos casos ocorrem entre homens”, afirma Marins. A maioria entre aqueles com 20 a 29 anos. Pessoas nesta faixa etária não receberam dose da vacina tríplice viral, que protege contra rubéola, sarampo e caxumba. Essa vacina só começou a fazer parte do calendário em 1992. O primeiro estado a implantá-la foi São Paulo.

A maior preocupação é com a síndrome de rubéola congênita, em que a gestante não vacinada pode adquirir e transmitir ao feto. “A criança pode nascer com complicações resultantes da infecção da rubéola, como catarata, surdez, problemas cardíacos ou neurológicos”, afirma a médica Sandra Campos, professora de pediatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
 
Segundo Sandra, 40% das mulheres que contraem a doença nos três primeiros meses de gravidez têm filhos com algum tipo de complicação.
 
Os sintomas gerais são leves, como mal-estar, febre e manifestação catarral das vias respiratórias superiores. Depois destes, costuma surgir a erupção na pele, de coloração avermelhada. “A rubéola faz parte das doenças exantemáticas e, como a catapora e o sarampo, provoca manifestações na pele”, afirma Sandra.
 
 
G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos