Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 27 de maio de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Brasil ainda é o maior consumidor de cocaína da América do Sul

23 Jun 2010 - 13h25Por R7

Embora estatisticamente não lidere o consumo de cocaína na América do Sul, em números absolutos, o Brasil ainda representa o maior mercado da droga no continente, com cerca de 900 mil usuários, segundo relatório anual sobre o tema divulgado nesta quarta-feira (23) pela UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes), ligado à ONU (Organização das Nações Unidas).

Baseado nas respostas dos questionários encaminhados a 192 países, o relatório tem como objetivo revelar as tendências mundiais sobre o consumo e o comércio de drogas, em um documento com 313 páginas. O lançamento do balanço marca o Dia Internacional contra o Tráfico e o Abuso de Drogas, lembrado no próximo sábado (26).

Segundo o relatório, a Argentina é o país com o maior índice de prevalência do uso da droga: 2,7% da população já consumiu cocaína; contra 2,4% do Chile; 1,4% do Uruguai; e 0,7% no Brasil – po

rcentual de pessoas que admitiram ter consumido a droga pelo menos uma vez em um ano. Entretanto, como o documento utiliza como base os números das autoridades locais, é possível que o cenário no país tenha mudado, já que os dados brasileiros são de 2005.


O próprio governo federal já admitiu que faltam dados sobre o consumo de drogas no país, o que prejudica o combate ao problema, e prevê a realização de uma nova pesquisa sobre o tema até o fim do ano.

O balanço da ONU também traça um paralelo entre traficantes de drogas de diversos países consumidores. Na Europa, por exemplo, a França foi o país com a maior apreensão de cocaína em 2008 (8,2 toneladas), sendo que, curiosamente, a maior parte da droga apreendida no país veio do Brasil: 40% do total.

Já na América do Sul, entre 2007 e 2008 (quando foram obtidos os últimos dados), a apreensão de cocaína teve crescimento recorde e, somente no Brasil, houve um salto de 21% no total de apreensões da mercadoria: passando de 17 para 20,4 toneladas em um ano.

Outras drogas

O Brasil também é líder – estatisticamente e em números absolutos – no consumo de drogas derivadas do ópio (como a heroína e medicamentos a base de morfina) na América do Sul: 0,5% da população dos país (entre 15e 64 anos) já usou a droga, o que corresponde a 640 mil pessoas. Apesar de o percentual ser o mesmo que o do Chile, naquele país, o valor corresponde a 57 mil pessoas.

Já a maconha continua a ser a droga mais consumida na América do Sul, sendo que somente no Brasil foram apreendidas 187 toneladas da droga em 2008. No Continente, a maioria dos usuário é adulta, porém, são altos os índices de consumo do entorpecente entre estudantes do ensino médio: 15,6% dos estudantes do Chile afirmaram já ter fumado maconha pelo menos uma vez no ano – maior percentual entre os países pesquisados –, contra 6,3% no Brasil (entre 15 e 16 anos).

O relatório ainda lista o ranking dos maiores produtores mundiais de maconha, heroína, cocaína e outras drogas; revela o perfil dos consumidores nos continentes; e apresenta recomendações da ONU para o combate ao problema. Leia aqui a íntegra do documento (em inglês).

Deixe seu Comentário

Leia Também

MISTÉRIO
Criança de 5 anos morre após ser baleada dentro da própria casa
AMOR A TRÊS
Mulher mora com dois maridos. Homens dizem que são amigos – Assista entrevista
TRAGEDIA NA RODOVIA
Garota de 14 anos morre em grave acidente com três veículos
CHACINA
Quatro pessoas são mortas a tiros, e outras sete ficam feridas em um bar
POLITICA
Prefeito que cancelou carnaval pra investir em educação inaugura escola
CRIATIVIDADE
Aluna de escola pública cria tijojo de caroço de açaí: 15 prêmios
OPORTUNIDADES
Mais de 150 concursos com inscrições abertas reúnem 21,4 mil vagas no país
BONITO - MS - VISITA ILUSTRE
Em Bonito (MS), Miss Brasil Júlia Horta destaca 'A energia daqui é inexplicável'
COISA DE DOIDO
Sucuri ataca bombeiro durante resgate em SP; assista!
OPORTUNIDADE DE EMPREGO
Governo dobra vagas de concurso da PF e convocações saem no fim do ano