Menu
SADER_FULL
sexta, 23 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Botafogo vence o Cabofriense e decide título com o Flamengo

23 Abr 2007 - 04h15
O Botafogo confirmou seu favoritismo e derrotou a Cabofriense por 3 a 1, conquistando o título da Taça Rio. Conseqüentemente, o time alvinegro garantiu decisão nas finais do Estadual contra o Flamengo, nos dias 29 de abril e 6 de maio.

Com um futebol envolvente, o Botafogo poderia ter goleado, tamanha facilidade para chegar à área adversária. A torcida alvinegra, que lotou o Maracanã, soltou o grito de campeão aos 19 minutos do primeiro tempo, quando o time já vencia por 3 a 0. “O time jogou bem e soube administrar o resultado. Flamengo e Botafogo vão fazer uma final merecida. Quem ganha com isso é o torcedor”, declarou o técnico Cuca, eufórico.

Com a derrota, a Cabofriense beneficiou o América, que garantiu classificação para a Série C do Campeonato Brasileiro de 2007, e ainda pode perder o seu treinador. Waldemar Lemos é o nome mais cotado para assumir o Fluminense.

 “Fico satisfeito pela lembrança”, disse o treinador, antes do início da decisão. No primeiro jogo das finais, domingo passado, o Botafogo finalizou 33 vezes, fez apenas dois gols, e lamentou o empate por 2 a 2 no primeiro jogo da final.

O goleiro Gatti, da Cabofriense, saiu do estádio como herói. Neste domingo, no entanto, ele não conseguiu parar o ataque alvinegro. Aos 11 minutos, o volante Túlio fez 1 a 0 num chute de primeira, após cobrança de falta do lateral-esquerdo Luciano Almeida.

Logo em seguida, o atacante Dodô foi autor de mais uma obra-prima. Driblou um zagueiro da Cabofriense e, de fora da área, acertou um chute forte no ângulo. Gatti só pulou por hábito. “Uh, tá maneiro! O Dodô é artilheiro”, gritou a torcida, que o tem como ídolo. A festa ficou completa com o lance que originou o terceiro gol do Botafogo.

A equipe trocou pelo menos cinco passes antes do lançamento de Joílson para o meia Zé Roberto, que não perdoou. A euforia nas arquibancadas não diminuiu com o gol de cabeça do atacante Willian, aos 25 minutos: 3 a 1.

Na segunda etapa, um lance inusitado chamou a atenção. O zagueiro Cléberson deu um beijo no rosto do árbitro Ubiraci Damásio enquanto reclamava de uma marcação de falta e levou cartão amarelo.

O juiz também se envolveu em outro lance polêmico. Quase no fim do confronto, ele demorou a assinalar falta clara de lateral-esquerdo Júlio César em Zé Roberto e, na seqüência do lance, Alexandro superou o goleiro Lopes, o que daria nova vida ao Cabofriense.

Mas o árbitro, tardiamente, anulou o gol ao observar o auxiliar Beival do Nascimento Souza com a bandeira levantada e confirmando a irregularidade da jogada. Beival foi chamado de ladrão pelo técnico da Cabofriense. “É uma vergonha”, esbravejou Waldemar.

O Botafogo também poderia reclamar do gol de Zé Roberto mal anulado pela arbitragem, mas preferiu comemorar a conquista com os torcedores.

 

 

AgEstado

Deixe seu Comentário

Leia Também

A CASA CAIU
Homem pede divórcio ao descobrir que não é pai de nenhum dos nove filhos
ESTADO GRAVE
Homem ateia fogo em mulher e filha de 4 anos 80% do corpo queimado
SURPRESA E FÉ
Homem que morava em uma barraca ganha casa reformada
JUSTIÇA PROPRIAS MÃOS
Suspeito de ter estuprado criança é assassinado por lideranças de bairro
ASSISTA A REPORTAGEM
Família da modelo Mylena Mendes, que morreu em acidente faz protesto no Fórum
NOVELA GLOBAL
Régis confessa que forjou DNA de Arthur em 'A dona do pedaço'
FOGO NA AMAZONIA
Macron diz que Bolsonaro mentiu, e Europa ameaça retaliar Brasil
TURISMO
Curtir a Cidade Maravilhosa com pacotes de viagens baratos
FUTEBOL - PAIXÃO NACIONAL
Uma estrutura confiável para resultados de futebol
POSSE DE ARMA
Posse de arma em toda extensão da fazenda é aprovada e segue para sanção