Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Bolívia levará queixa contra hidrelétricas brasileiras

17 Jul 2007 - 14h15

Parlamentares dos departamentos bolivianos do Beni e de Pando vão levar ao Parlamento Amazônico uma queixa contra a construção das hidrelétricas do rio Madeira que Furna pretende construir perto da fronteira. A deputada Marisol Abán, do Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR, de direita), alega que as obras provocarão inundações em 530 quilômetros quadrados da região de fronteira.

O projeto prevê a construção das represas de Santo Antônio e Jirau sobre o rio Madeira, que faz limite entre os dois países. As duas hidroelétricas poderiam gerar 6.450 megawatts, equivalentes a quase 8% da demanda nacional. Na semana passada, o Governo da Bolívia solicitou ao Brasil uma reunião entre ministros dos dois países para analisar os possíveis danos das obras ao meio ambiente em território boliviano.

Em resposta, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, propôs ao colega boliviano, David Choquehuanca, que equipes dos dois países se reúnam no final do mês para discutir o tema. O Ibama estendeu para início de julho a licença ambiental para as obras.

Na carta enviada a Choquehuanca, o Itamaraty ressalta que as hidrelétricas são um projeto "de fundamental importância para atender às necessidades energéticas brasileiras" e que a decisão de construí-las foi tomada "com base em completos e análises fundamentadas dos seus impactos econômicos, sociais e ambientais".

O Parlamento Amazônico, fundado em 1989, é formado pelos congressos nacionais de Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela. Segundo a deputada Abán, também será pedido o comparecimento do embaixador do Brasil na Bolívia, Frederico Cezar de Arauco, como "convidado", para explicar detalhes do projeto ao Parlamento Amazônico.

O Senado da Bolívia, dominado pela oposição, convocará o Choquehuanca para ser sabatinado sobre o "excessivo atraso e negligência" ao lidar com o assunto. O senador Roger Pinto, do opositor Poder Democrático e Social (Podemos), disse que a exigência de Choquehuanca ao Brasil foi "péssima e excessivamente tardia", já que o país já anunciara há um ano e meio a decisão de construir as represas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos