Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Biossegurança favorece aprovação de projeto de Picarelli

8 Out 2004 - 16h19

Na quarta-feira (6) o Senado Federal aprovou o projeto de Lei de Biossegurança, que regulamenta o plantio, a comercialização e as pesquisas com sementes transgênicas no país. Pelo texto do relator da matéria, senador Ney Suassuna (PMDB-PB), a CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança), responsável por liberar a venda de OGMs (Organismos Geneticamente Modificados), vai deliberar em última instância sobre as pesquisas com transgênicos. Em Mato Grosso do Sul, o deputado estadual Maurício Picarelli, do PTB, tem elaborado alguns projetos de lei neste segmento.

 

A aprovação da referida lei pela Câmara dos Deputados é um ponto positivo para que aqui no Estado seja aprovado projeto de lei de Picarelli que pede a criação de uma CTEBio (Comissão Técnica Estadual de Biossegurança) para controlar a entrada de transgênicos provindos de outros Estados ou do exterior. Segundo Picarelli, a Comissão terá por função analisar o pedido de autorização dos transgênicos para a entrada em Mato Grosso do Sul.

 

O projeto é pioneiro nas Assembléias Legislativas do Brasil e foi apresentado pela primeira vez na Casa em 1999. Contudo, na época, a preocupação com os transgênicos não era um fato tão impactante e discutido como vem sendo atualmente.

 

PesquisasA Lei de Biossegurança também autoriza a realização de pesquisas com células-tronco para fins medicinais. O texto permite que sejam utilizados para pesquisa embriões que estejam congelados há mais de três anos em clinicas de fertilização. O projeto veda, no entanto, a clonagem humana e a clonagem de células-tronco embrionárias para utilização terapêutica.

 

O texto de Suassuna atribui à CTNBio as competências para decidir sobre as sementes transgênicas que poderão ser produzidas no país. A Comissão, no entanto, vai ter que submeter suas decisões ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais e Renováveis) e à Anvisa (Agência Nacional de Saúde). O Ibama e a Anvisa poderão, pelo projeto de Suassuna, entrar com recursos para questionar as decisões da CTNBio no prazo de até 30 dias contados a partir da publicação do parecer técnico da Comissão. O Conselho Nacional de Biossegurança vai ter 45 dias para apreciar os recursos.

 

Em Mato Grosso do Sul, por exemplo, o Governo do Estado é que será o responsável pela implantação do sistema de fiscalização, conforme está explícito no texto da matéria de Picarelli. “A CTNBio tem uma importância muito grande no Brasil. A CTEBio terá o mesmo grau de importância, priorizando única e exclusivamente o nosso Estado. Merece aprovação”, atesta o petebista.

 

Outro projeto de grande sucesso do deputado Picarelli é o que institui a rotulagem dos alimentos resultantes de OGMs (Organismos Geneticamente Modificados). Na sessão do dia 11 de dezembro de 2003 a matéria foi aprovada.

 

 

Assembléia Legislativa de MS

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação