Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quinta, 22 de agosto de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
AGÊNCIA BONITO THIAGO
Brasil

BB nega patrocínio á Zezé Di Camargo e Luciano

17 Jul 2004 - 09h02
Brasília - O Banco do Brasil negou nesta quinta-feira o pedido de patrocínio dos cantores Zezé Di Camargo e Luciano, depois da reação dos partidos de oposição ao suposto favorecimento à dupla, que tem feito shows para arrecadar recursos para a compra de uma sede para o PT. Segundo a Assessoria de Imprensa do Banco do Brasil, a área de comunicação e marketing do BB chegou à conclusão de que este não era o momento adequado para patrocinar a turnê pelo País da dupla sertaneja porque o projeto mais identificado com o trabalho dos cantores é o Banco Popular do Brasil, que ainda está em fase de estruturação.

O pedido de patrocínio estava no BB desde março. Os assessores do banco não quiseram comentar o valor de patrocínio pleiteado por Zezé Di Camargo e Luciano. O empresário da dupla, Rommel Marques, também preferiu não falar em cifras. Mas, segundo ele, a dupla sertaneja fez apenas um show sem cobrar cachê para arrecadar fundos para a sede do PT. "O show do dia 8 de julho, no Olímpia, em São Paulo, foi doado pelos artistas ao PT", afirmou Rommel. Ele disse que a dupla foi paga pela apresentação feita na terça-feira, em uma churrascaria de Brasília, para recolher fundos para o PT.

Logo depois desse show, contudo, os partidos de oposição começaram a levantar a suspeita de que os cantores estariam fazendo apresentações para o PT em troca do patrocínio do Banco do Brasil. O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio Neto (AM), apresentou requerimento à Comissão de Fiscalização e Controle para que o presidente do BB, Cássio Casseb Lima, fosse convocado a explicar o patrocínio à dupla sertaneja. Na Câmara, o deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ) avisou que iria entrar com ação de improbidade no Ministério Público contra Cássio Casseb, caso fosse confirmado o patrocínio. O presidente do PT, José Genoino, considerou as suspeitas dos oposicionistas contra a dupla uma "discriminação e uma palhaçada".

Responsável em passar o chapéu para conseguir o dinheiro necessário para a aquisição de um prédio de cerca de cinco mil metros quadrados para a sede do PT, o tesoureiro do partido, Delúbio Soares, organizou a festança que reuniu a cúpula petista em Brasília e, pelo menos, cinco ministros de vários partidos políticos e até os embaixadores da Suíça e do Japão. Cerca de duas mil pessoas foram ao show e cada uma pagou R$ 250 pelo ingresso, que deu direito a jantar e bebida. Segundo Delúbio, a renda líquida do show da dupla Zezé de Camargo e Luciano, em São Paulo, foi de R$ 250 mil.
 
 
A Tribuna

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Menina de 7 anos é atacada por pitbull e morre na casa dos avós
CRIMINOSO FORAGIDO
Ataque com machadinha deixa alunos e professora feridos em escola
POLEMICA II
Após polêmica, deputado diz que não existe PL de poliamor ou casamento entre mães e filhos
CONFISSÃO
Filhos investigam e descobrem que pai matou a mãe há 37 anos
MAL SUBITO
Policial militar tem mal súbito e morre no mesmo dia que descobriu que seria pai
NOVELA GLOBAL
Régis oferece vender loja para dar dinheiro a Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
100 VERBAS
Emissão de CPF e restituição do IR podem ser suspensas pela Receita
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade