Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 22 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Banco do Brasil e Caixa descontam dias parados

21 Out 2004 - 10h12
Cerca de 150 mil funcionários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal receberam nesta quarta-feira o pagamento de setembro com o desconto de cinco dias, por causa da greve que mobilizou a categoria por um mês. “O desconto é um absurdo. Total insensibilidade, uma provocação feita pela Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) e os bancos acataram isso“, denuncia o presidente da Confederação Nacional dos Bancários (CNB), Vagner Freitas.

A Febraban havia recomendado aos bancos que aplicassem o desconto em um terço dos dias parados no período de greve. Para Vagner, não havia necessidade de realizar o desconto, uma vez que o julgamento da paralisação está marcado para esta quinta-feira (21), no Tribunal Superior do Trabalho (TST). “Se há um dissídio coletivo sendo julgado amanhã, não haveria a menor necessidade dos bancos proferirem o desconto hoje, poderiam esperar o resultado do julgamento”, enfatiza.

O presidente da CNB ressalta que a entidade está acompanhando o processo de tramitação do dissídio coletivo no TST e pretende eleger a quinta-feira como dia nacional de luta da categoria. Ele informa que, mesmo realizando uma mobilização nacional, a categoria não pretende paralisar suas atividades. “Os sindicatos vão organizar no país inteiro manifestações e, em alguns locais, paralisações para marcar a presença da gente no dia do julgamento”, explica Valter.

Em Brasília, o Sindicato dos Bancários do Distrito Federal pretende levar os funcionários para acompanhar, em frente ao prédio do TST, o processo de votação dos nove ministros. Segundo o secretário geral do sindicato, Jair Pedro Ferreira, há possibilidade do tribunal permitir a transmissão do julgamento ao vivo para os bancários. “Negociamos com o TST e eles estavam analisando a possibilidade de termos um telão na rua para os trabalhadores”.

Jair destaca que todas as tentativas para evitar o desconto foram realizadas junto ao TST. “Nós passamos a semana toda em negociação, principalmente, através do TST e da Procuradoria Geral do Trabalho, tentando uma interferência junto à direção dos bancos para que se aguardasse o julgamento do nosso dissídio que está marcada para amanhã”.

O julgamentodo dissídio coletivo deverá pôr fim ao impasse sobre a negociação salarial dos funcionários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Os bancários reivindicam reajuste de 19%, que foi rejeitado pelo governo e pela Febraban. O aumento proposto varia de 8,5% a 11,8%, a depender da faixa salarial.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai