Menu
CÂMARA VICENTINA OUTUBRO 2019
domingo, 20 de outubro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Banco Central mantém juro em 16% ao ano

22 Jul 2004 - 07h55
O Copom (Comitê de Política Monetária, do Banco Central) manteve pelo terceiro mês consecutivo a taxa básica de juros da economia, a Selic, em 16%.

Mais uma vez, a justificativa dada pela autoridade monetária foi o temor de novas pressões inflacionárias, que poderia comprometer a meta de 5,5% prevista para este ano.Em todo o ano de 2004, o Banco Central cortou a taxa Selic em apenas duas ocasiões: em março, quando o juros caiu de 16,50% para 16,25% e em abril, quando foi reduzido para os atuais 16%.



No ano passado, a Selic caiu 10 pontos percentuais, dos 26,5% do final de 2002 para 16,50% em dezembro de 2003.

"Avaliando as perspectivas para a trajetória da inflação em 2004 e 2005, o Copom decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 16% ao ano, sem viés", informou a nota do BC sobre a decisão da reunião que teve início ontem e terminou no final da tarde de hoje. O próximo encontro será nos dias 17 e 18 de agosto.

A decisão de manter os juros inalterados ficou dentro das expectativas do mercado. Uma das justificativas apresentadas pelos economistas para a aposta --confirmada-- de manutenção dos juros é o comportamento conservador que o BC adotou todas as vezes em que se verificou algum tipo de pressão inflacionária.

O mercado financeiro prevê que a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), calculada pelo IBGE, poderá atingir os 7,08% neste ano. A expectativa, apesar de estar dentro da margem de manobra do BC, que é de 2,5 pontos percentuais para cima ou para baixo, estoura o indicador, usado como balizador para a meta traçada pelo Banco Central.

Além dos reajustes das tarifas no Brasil, que pressionam os índices de inflação, o mercado --e, conseqüentemente o Banco Central-- está atento também às oscilações do preço do petróleo no mercado internacional. Além disso, ontem, o presidente do Fed (Federal Reserve, BC dos EUA), Alan Greenspan, disse que poderá subir os juros mais rápido que o esperado.

A outra preocupação do governo é o aquecimento da economia, especialmente da indústria, que já opera em níveis recordes da capacidade instalada. Caso não sejam feitos os investimentos necessários, o governo teme que haja uma crise de demanda, o que pressionaria ainda mais os preços no futuro.

Teme-se que em um ambiente de aquecimento da economia seja mais fácil repassar aumentos para o consumidor. Como o teto da meta de inflação é de 8%, não sobra muito espaço para acomodar a alta de preços. Com relação à inflação deste ano, pouco se pode fazer. É necessário um espaço de cinco a seis meses para que se percebam efeitos da política monetária. A preocupação transborda para 2005, quando a meta de inflação será menor, de 4,5%.
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

ASSASSINATO
Mulher desaparecida foi encontrada enterrada com braço para fora em canavial
TRAGEDIA NA RODOVIA
Violenta colisão entre caminhões mata os dois motoristas
ACIDENTE EM RIO
Barco com seis pessoas vira no Rio. Duas estão desaparecidas
TRISTEZA
Populares encontram corpo de criança desaparecida dentro de córrego
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Reforma da Previdência dos militares pode aumentar salários em até 75%
CENTENÁRIO
Aos 92 anos, Cid Moreira participa de festa pelo centenário de Orlando Drummond
POLEMICA
Sobrinho-neto do pastor Malafaia diz que família o mandou para cura gay: 'Um terror psicológico'
DOENÇA DO SÉCULO
Nego do Borel passa a limpo polêmicas em que se envolveu: Deus não me deixou entrar em depressão
MS FORTE
MS sobe duas posições no Ranking da Competitividade e é 2º em crescimento no cenário nacional
NOVELA GLOBAL
A Dona do Pedaço: Maria da Paz dá rasteira em Fabiana