Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 23 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Bancários terminam greve em 22 capitais

15 Out 2004 - 06h28

Após 30 dias de paralisação, a greve dos bancários chega ao seu final, ainda que provisoriamente. Em assembléias realizadas por todo o País, bancários de 22 capitais decidiram por encerrar o movimento, pelo menos até o dia 20.

Até lá, a entidade nacional tentará retomar as negociações com a Fenaban e com as direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Os bancos oferecem reajustes a partir de 8,5%, enquanto os bancários querem 19%.

Florianópolis foi a única capital a decidir pela continuidade da greve, de acordo com a CNB (Confederação Nacional dos Bancários).

Nesta quinta-feira, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Campo Grande, Cuiabá, Salvador, Aracaju, Maceió, São Luís, Belém, Macapá, Porto Velho, Recife, João Pessoa e Teresina deciriram voltar ao trabalho a partir desta sexta-feira.

Na noite de quarta-feira, representantes da categoria em Boa Vista, Natal, Fortaleza, Curitiba e Vitória já haviam decidido retornar ao trabalho.

Manaus e Palmas não fizeram parte da greve, enquanto em Goiânia e em Rio Branco, ainda não foi tomada decisão sobre a continuidade ou não do movimento.

O recuo acontece depois que a Confederação Nacional dos Bancários recomendou aos grevistas que suspendessem o movimento.

Os bancários consideram a decisão como um recuo tático até 20 de outubro. Nessa data, deverão ser realizadas novas assembléias para avaliar a retomada ou não do movimento, bem como organizar o Dia Nacional de Luta, em 21 de outubro, conforme orientação da Executiva Nacional dos Bancários.

Na quarta-feira, em audiência de conciliação promovida pelo TST, banqueiros e funcionários da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil continuaram no impasse.

O presidente do TST, ministro Vantuil Abdala, propôs reajuste de 8,5% - o mesmo já proposto pelos bancos -, com abono de R$ 1 mil e compensação dos dias parados, mas não houve acordo.

Proposta - Os bancários reivindicam 19% de reajuste, abono de R$ 1.500, PLR de um salário mais R$ 1.200 e o não desconto dos dias parados. A proposta rejeitada pelos bancários previa reajuste salarial de 8,5% mais R$ 30 para quem ganha salários até R$ 1.500 - o que implicaria em reajustes de até 12,77% e aumento real de 5,75%.

Para os que ganham acima de R$ 1.500, o reajuste sugerido era de 8,5%, assim como para as demais verbas de natureza salarial como vales alimentação, refeição e auxílio-creche.

O INPC do período foi de 6,64%. A proposta previa Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de 80% do salário mais R$ 705 e pagamento de vale-alimentação extra de R$ 217. Também foram rejeitados avanços em questões específicas do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

 

 

Terra Redação

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Filho de faxineira e porteiro passa em medicina no Paraná
RENOVAÇÃO LICENÇA
Extinção de mais 130 rádios comunitárias no Brasil deve alcançar emissora de Ponta Porã
CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho