Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Bancadas discutem pontos polêmicos da reforma política

12 Jun 2007 - 17h18
A proximidade da votação do projeto de reforma política na Câmara, prevista para esta quarta-feira, está mobilizando os deputados. Desde a manhã desta terça, as bancadas partidárias estão fazendo reuniões para tentar chegar a uma posição sobre os dois pontos mais polêmicos do projeto: o voto do eleitor em lista elaborada pelo partido no lugar de o eleitor votar diretamente no candidato de sua escolha, a chamada lista fechada ou pré-ordenada, e o financiamento público de campanha.

O DEM fechou questão a favor dos dois pontos e ainda a favor da fidelidade partidária e do fim da possibilidade de coligações nas eleições proporcionais. Fechar questão na linguagem parlamentar é obrigar os deputados a votarem como a posição do partido.

A Executiva do PT antecipou a reunião para quarta de manhã, marcada inicialmente para quinta-feira. Integrantes da Executiva já anunciaram que o partido vai fechar questão a favor da lista fechada, do financiamento público exclusivo de campanha, da fidelidade partidária e do fim das coligações. A questão, no entanto, ainda encontra dissidências na bancada. O deputado Jilmar Tatto (PT-SP) foi encarregado de levantar a opinião dos deputados para levar à reunião da Executiva amanhã e tentar influenciar na decisão.

O PMDB decidiu nesta terça que vai liberar a bancada, o que significa que cada deputado poderá votar como quiser e não terá de acompanhar uma decisão partidária. O líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), disse que vai se manifestar no plenário a favor da lista fechada e do financiamento público, mas a votação está liberada. "A lista divide muito. Toda mudança tem o seu risco, mas prefiro que o partido escolha, faça a lista, do que o poder econômico", argumentou o líder do PMDB.

O PTB também deverá liberar sua bancada. O líder do PTB, Jovair Arantes (GO), disse que grande parte da bancada rejeita a lista fechada e o financiamento público. O PSDB está reunido neste momento, mas a decisão deverá ser tomada só amanhã. A bancada está rachada ao meio na questão da lista fechada. O PSB também marcou nova reunião para a amanhã. O líder da bancada, Márcio França (SP), afirmou que, majoritariamente, os deputados do PSB estão contra a lista fechada e contra o financiamento público e a favor do fim das coligações partidárias nas eleições proporcionais. "A lista tira do eleitor o direito de escolher seus candidatos", afirmou.

PPS e PR

No PPS o quadro é favorável à aprovação dos dois pontos polêmicos. O líder do PPS, Fernando Coruja (SC), afirmou que sua bancada está a favor da lista fechada e do financiamento público de campanha. "Mais de 60% está a favor da lista fechada", afirmou Coruja.

O líder do PR, Luciano Castro (RR), afirmou que sua bancada também é contra a lista e contra o financiamento público. "Com a lista, vamos criar uma ditadura dos partidos. O eleitor vai perder a identidade com o candidato", disse Castro. O PP também é contra os dois pontos. (Denise Madueño)

PT no Senado

A bancada do PT no Senado não quer que o partido feche questão em favor da implantação do sistema de lista fechada (ou pré-ordenada) para as eleições proporcionais. Em reunião nesta terça, os senadores petistas decidiram, por unanimidade, recomendar à Executiva Nacional que deixe a questão em aberto na votação da reforma política. A maioria dos presentes se posicionou contra a lista fechada para a escolha de deputados federais, estaduais e vereadores. Se essa proposta for aprovada, os partidos ficam encarregados de elaborar a lista dos candidatos.

Já os outros temas como o financiamento público das campanhas eleitorais, o fim da coligação partidária para as eleições proporcionais e a adoção da fidelidade partidária receberam apoio da bancada do PT no Senado. A direção nacional do PT vai se reunir nesta quinta-feira para fechar questão em torno da reforma política, o que obriga a todos os parlamentares a votarem com o partido sob risco de punição. Os defensores da lista fechada argumentam que a inovação fortaleceria os partidos em detrimento do voto individual dos eleitores aos candidatos.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos