Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
quarta, 12 de dezembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Avião brasileiro leva medicamentos para o Paraguai

2 Ago 2004 - 17h31
O governo do Brasil vai ajudar no atendimento às vítimas de incêndio em um supermercado de Assunção, capital do Paraguai, que deixou pelo menos 311 mortos.
A Agência Brasil informa que um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) chega hoje à capital do Paraguai com respiradores e equipamentos médico-hospitalares. O governo brasileiro também ofereceu ao governo paraguaio tratamento para as vítimas em centros especializados no Brasil.
Segundo o Ministério da Saúde, entre os medicamentos estão soros de reidratação intravenosa, analgésicos, antibióticos, psicotrópicos e corticóides. A lista dos produtos foi preparada a partir de uma relação enviada pelo governo paraguaio das necessidades para garantir a assistência aos sobreviventes da tragédia.
As fontes oficiais informam ainda que os medicamentos e equipamentos doados fazem parte de estoque de reserva de hospitais federais com experiência no atendimento na área de traumas e queimados.

 

Campo Grande News

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede