TASS_MOTORS
FatimaNews - Notícias de Fátima do Sul e região
Fátima do Sul, 13 de Dezembro de 2017
RIO_DOURADOS
2 de Setembro de 2004 14h49

Audiência Pública termina com saldo positivo

Uma audiência pública promovida pelo deputado Waldir Neves hoje de manhã no Plenário Júlio Maia da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul debateu com representantes da sociedade a realização do Festival da América do Sul. Estiveram presentes o cineasta Miguel Horta, o diretor executivo da Funcesp, Carlos Alberto Assis, o representante da Ordem dos Músicos, Júlio Cheda e do curso de direito da Uniderp, Professor Wilson Miranda. Também foram convidados para o debate o Secretário de Cultura Sílvio Nucci, o Secretário de Coordenação Geral do Governo, Raufi Marques, o Presidente do TRE e Ministério Público, além do Superintendente do Banco do Brasil. Os representantes do Governo não compareceram e nem justificaram a ausência; o Banco Brasil encaminhou ofício hoje de manhã colocando um e-mail em Brasília à disposição para os esclarecimentos e o TRE e o Ministério Público explicaram não poder participar por necessitarem manter a imparcialidade durante o período eleitoral.

 

Na abertura do evento o deputado Waldir Neves explicou à platéia o porquê da convocação da audiência, disse não ser contrário a qualquer tipo de manifestação artística, apenas quer saber quais foram os critérios estabelecidos para a escolha da cidade, da aplicação dos recursos e até da escolha dos músicos selecionados para os shows. “É nosso dever enquanto representante do povo levantar questionamentos sobre a aplicação dos recursos públicos. Queríamos realizar um amplo debate com a participação de todos os segmentos envolvidos mas infelizmente não fomos atendidos", ressaltou Neves.

 

O deputado também questionou durante o debate  se não haveria outros investimentos mais urgentes a serem feitos com um montante tão alto como o gasto no festival – mais de 3 milhões de reais. Questionamento apoioado pelo Presidente da Associação de Moradores Estrela Dalva III, Antônio Charupa. “Há anos não conseguimos apoio do governo para nenhum projeto da nossa comunidade, que enfrenta muitas dificuldades, e ainda somos obrigados a conviver com ameaças de retirada do sacolão e da creche caso não votemos no candidato deles”, afirmo Charupá.

 

Também presente na audiência, o cineasta Miguel Horta, demonstrou toda a sua indignação com a política cultural imposta pelo atual governo. Para Horta, uma ditadura cultural toma conta do setor, cerceando a liberdade de expressão dos artistas que não são alinhados com a atual administração estadual. “Eu construí uma história na cultura do Estado e como não sou do PT, fui colocado na geladeira. Apesar da minha trajetória, nunca fui convidado a participar de um festival promovido pelo governo do Zeca”, desabafou Miguel Horta.

 

O chefe de gabinte do deputado federal Geraldo Resende, Flávio Brito, acompanhou as discussões e garantiu  que o deputado vai questionar o Banco do Brasil sobre o processo de liberação dos recursos destinados ao festival e garantiu aos presentes que, tão logo tenham essa informação, enviarão os dados para a população sul-matogrossense.

 

Para concluir a manhã de trabalho, o deputado Waldir Neves ainda perguntou aos presentes se acreditam não existirem outras prioridades, se o Estado atravessa uma fase tão boa que pode se dar ao luxo de gastar mais de 3 milhões de reais em um evento dessa natureza. “Esse dinheiro daria para construir centenas de casas populares, até mesmo para a população de Corumbá, que enfrenta inúmeras dificuldades financeiras e uma taxa altíssima de desemprego”.

 

A partir da audiência, será elaborado um documento para ser encaminhado à Justiça Eleitoral de Corumbá, a fim de que seja investigado o uso eleitoreiro do Festival em benefício do candidato do Partido dos Trabalhadores.

 

 

Assembléia

Comentários
Veja Também
FORTALEZA
LISTINHA_ONLINE
Nossa_Lojas
Últimas Notícias
  
FARMÁCIA_CENTROFARMA_300
Eventos
dothCom © Copyright FatimaNews - Todos os Direitos Reservados.