Menu
LIMIT ACADEMIA
quarta, 21 de agosto de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Atuação de jovens é decisiva na redução da violência escolar

27 Set 2004 - 15h10
Não há receita pronta para o enfrentamento da violência nas escolas, mas elas são capazes de pôr em prática ações que tragam as soluções, que dependem muito da participação dos jovens para o alcance de resultados.

As conclusões são do representante da Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, Alberto Albino dos Santos, sobre a realidade das escolas públicas brasileiras e as ações do programa Ética e Cidadania Construindo Valores na Escola e na Sociedade, iniciativa do Ministério da Educação (MEC) e da Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, do governo federal.

Alberto participa do Seminário Regional de Ética e Cidadania, que acontece hoje no Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima (Cepef), em Campo Grande. Segundo o gestor, o caminho proposto às escolas é o da educação pelos direitos humanos, pela ética e pela cidadania, essencialmente prático e com exigência de ampla participação das comunidades da escola e de fora dela. “As escolas são convidadas a formar um fórum com todos os representantes da comunidade e, a partir disso, passam a desenvolver as atividades relacionadas à formação dos alunos, em salas de aula e em outros espaços e momentos possíveis.”

As unidades que já desenvolvem projetos culturais, de lazer, de esporte ou de outro caráter, devem continuar e aprimorar suas estratégias. De acordo com o representante da Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, a idéia é criar nas escolas ambiente diferenciado, de cumplicidade, de compromisso, que as tornem menos reprodutoras de violência, mais imunes, e com capacidade de defesa para não reproduzir essa violência.

Ele afirma que a sociedade tem uma cultura de violência social e de autoritarismo que explode na escola. “A violência não é só física. Há também as discriminações, que são formas de violência e acabam sendo reproduzidas pelas escolas”.

Alberto Albino dos Santos explica que, em geral, as respostas para o problema da violência são apresentadas sempre na forma repressiva, com aumento dos sistemas de segurança e reforço de policiamento. “Isso, porém, não mostrou nenhum resultado efetivo até agora. Pelo contrário, acaba sendo causa de mais desrespeito nos ambientes escolares”.

As ações do programa Ética e Cidadania Construindo Valores na Escola e na Sociedade dependem muito da participação dos jovens para se tornar efetivas. “Muitas vezes, os jovens são vítimas e agentes da violência, mas também são agentes de mudança. Pela capacidade de ação e participação que eles têm, precisam ser estimulados”.
 
 
Agência Popular

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Menina de 7 anos é atacada por pitbull e morre na casa dos avós
CRIMINOSO FORAGIDO
Ataque com machadinha deixa alunos e professora feridos em escola
POLEMICA II
Após polêmica, deputado diz que não existe PL de poliamor ou casamento entre mães e filhos
CONFISSÃO
Filhos investigam e descobrem que pai matou a mãe há 37 anos
MAL SUBITO
Policial militar tem mal súbito e morre no mesmo dia que descobriu que seria pai
NOVELA GLOBAL
Régis oferece vender loja para dar dinheiro a Maria da Paz em 'A dona do pedaço'
POLÊMICA
Vale Tudo: projeto libera casamento entre mães e filhos e revolta MS
100 VERBAS
Emissão de CPF e restituição do IR podem ser suspensas pela Receita
100 PENA
'Não tem que ter pena', diz Jair Bolsonaro sobre uso de atirador de elite após sequestro de ônibus
ACIDENTE TRÁGICO
Morte de três profissionais em acidente comove a cidade