Menu
PASSARELA
terça, 17 de julho de 2018
SADER_FULL
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Atuação de jovens é decisiva na redução da violência escolar

27 Set 2004 - 15h10
Não há receita pronta para o enfrentamento da violência nas escolas, mas elas são capazes de pôr em prática ações que tragam as soluções, que dependem muito da participação dos jovens para o alcance de resultados.

As conclusões são do representante da Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, Alberto Albino dos Santos, sobre a realidade das escolas públicas brasileiras e as ações do programa Ética e Cidadania Construindo Valores na Escola e na Sociedade, iniciativa do Ministério da Educação (MEC) e da Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, do governo federal.

Alberto participa do Seminário Regional de Ética e Cidadania, que acontece hoje no Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima (Cepef), em Campo Grande. Segundo o gestor, o caminho proposto às escolas é o da educação pelos direitos humanos, pela ética e pela cidadania, essencialmente prático e com exigência de ampla participação das comunidades da escola e de fora dela. “As escolas são convidadas a formar um fórum com todos os representantes da comunidade e, a partir disso, passam a desenvolver as atividades relacionadas à formação dos alunos, em salas de aula e em outros espaços e momentos possíveis.”

As unidades que já desenvolvem projetos culturais, de lazer, de esporte ou de outro caráter, devem continuar e aprimorar suas estratégias. De acordo com o representante da Subsecretaria de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, a idéia é criar nas escolas ambiente diferenciado, de cumplicidade, de compromisso, que as tornem menos reprodutoras de violência, mais imunes, e com capacidade de defesa para não reproduzir essa violência.

Ele afirma que a sociedade tem uma cultura de violência social e de autoritarismo que explode na escola. “A violência não é só física. Há também as discriminações, que são formas de violência e acabam sendo reproduzidas pelas escolas”.

Alberto Albino dos Santos explica que, em geral, as respostas para o problema da violência são apresentadas sempre na forma repressiva, com aumento dos sistemas de segurança e reforço de policiamento. “Isso, porém, não mostrou nenhum resultado efetivo até agora. Pelo contrário, acaba sendo causa de mais desrespeito nos ambientes escolares”.

As ações do programa Ética e Cidadania Construindo Valores na Escola e na Sociedade dependem muito da participação dos jovens para se tornar efetivas. “Muitas vezes, os jovens são vítimas e agentes da violência, mas também são agentes de mudança. Pela capacidade de ação e participação que eles têm, precisam ser estimulados”.
 
 
Agência Popular

Deixe seu Comentário

Leia Também

GRANA
Governo antecipa primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Severo é preso e humilha Roberval
FUTEBOL PELO MUNDO
Real Madrid se recusa a permitir que Vinícius Júnior permaneça no Flamengo até o final de 2018
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Luzia descobre que seu filho com Beto não morreu
CONCURSOS - OPORTUNIDADES
Concurso: 13 órgãos abrem as inscrições para 1,9 mil vagas nesta segunda
FOI SALVAR O MELHOR AMIGO
Jovem morre afogado após pular em rio para tentar salvar cachorro
EDUCAÇÃO - FIES - INSCRIÇÕES
Fies abre inscrições nesta segunda com 155 mil vagas para 2º semestre
BOA NOTICIA
Preço da gasolina nas refinarias cai para R$ 1,997
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Karola vira escrava sexual de Remy
BRIGA DE RUA
Homem morre pendurado em grade