Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
terça, 20 de novembro de 2018
SADER_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Atraso nos dados pode afetar recebimento do Bolsa-Família

17 Mar 2007 - 04h52

Termina no dia 23 o prazo para os municípios enviar ao Ministério da Educação dados sobre a freqüência escolar dos alunos que recebem o Bolsa-Família. Até agora, 3.500 municípios ainda não prestaram as informações. Caso não sejam repassados esses dados, as famílias poderão ser notificadas em 30 dias sobre o descumprimento, com risco de ter afetado  o recebimento do beneficio.

 

O secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação, Ricardo Henriques, alertou a população deve ficar atenta para que a falta de informações dos municípios não acarrete prejuízos para as cerca de 15 milhões de crianças cujas famílias recebem o benefício. “Os prefeitos também têm que perceber que são responsáveis por isso e o cidadão deve monitorar prefeitos e secretários municipais de educação”, disse.

 

Um dos motivos para o atraso pode ser a incapacidade dos gestores para usar o novo programa que registra a freqüência, criado pelo MEC em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). Para que o novo sistema funcione do modo esperado, Ricardo Henriques ressaltou a importância da ampla adesão dos municípios. Ele chama atenção para o fato de que 1.900 municípios nem se cadastraram no novo sistema.

 

“Acho que estamos na transição da percepção de que esse programa é uma evolução, só que me parece que vários secretários e prefeitos não perceberam as vantagens desse processo. Temos mais uma semana para que eles se dêem conta disso”, disse o secretario.

 

Ele explicou que o objetivo de criar o programa foi aumentar a responsabilidade dos municípios no controle e no repasse dessas informações, além da demonstrar a importância da permanência nas escolas, pois no sistema antigo esse dado era confundido com algo burocrático. “Era necessário vincular isso (o registro das freqüências escolares) à rede de ensino e não mais a um gestor abstrato”.

 

O sistema anterior era gerido pela Caixa Econômica Federal e o secretario fala que havia várias ineficiências, pois a instituição estava preocupada mais nos aspectos operacionais do que em atender a demanda dos gestores. Também havia vários problemas na atualização dos dados.

 

O novo programa permite que os próprios diretores das escolas que disponham de pontos de internet façam esse controle. Com isso, houve descentralização do processo. Nas escolas ainda não informatizadas, o MEC enviou relatórios impressos.

 

“O sistema ficou muito mais amigável, muito mais ágil e com mais funcionalidade que ajuda os gestores no repasse das informações. Hoje há mais integração entre a parte social e o conteúdo pedagógico”, destacou Ricardo Henriques.

 

 

Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem que matou filho para defender a nora comete suicídio
INJUSTIÇA
Familiares prestam homenagem a laçador de cães que morreu após ser hostilizado
FORAGIDO
Mulher é morta a facadas pelo ex-marido, que não aceitava fim de relacionamento
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Valentina conta a Egídio que Gabriel é filho dele
CRUELDADE
Idosa de 106 anos é assassinada a pauladas no Maranhão
NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)