Menu
SADER_FULL
quarta, 12 de dezembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Artigo “Zeca do PT X André Puccinelli: a revanche, por Wagner Cordeiro

2 Jul 2010 - 11h20Por Wagner Cordeiro

ZECA DO PT X ANDRÉ PUCCINELLI: A REVANCHE

 

 

* Wagner Cordeiro Chagas 

 

 

Mato Grosso do Sul experimentará nos próximos meses uma campanha eleitoral sem precedentes. É inédito o fato de dois grandes adversários políticos se enfrentarem nas urnas neste ano na disputa pelo cargo de governador do Estado.

 

 

De um lado da arena eleitoral, encontra-se o candidato José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, que concorre pela terceira vez à função de chefe do executivo estadual. Bancário aposentado pelo Banco do Brasil, Zeca nasceu a 24 de fevereiro de 1950, no município de Porto Murtinho-MS. Sua biografia política compõe-se de diversos mandatos, sendo o primeiro o de presidente do Sindicato dos Bancários de Campo Grande. No início dos anos de 1980, participou da fundação do Partido dos Trabalhadores no Estado. Em 1990, elegeu-se deputado estadual, figurando como o primeiro parlamentar petista na Assembleia Legislativa sul-mato-grossense. Nas eleições municipais de 1992, pleiteou a prefeitura da capital, onde se posicionou em terceiro lugar, atrás de Marilú Guimarães (PFL) e Juvêncio da Fonseca (PMDB), o vitorioso daquela disputa. Dois anos depois, o Partido dos Trabalhadores conquistou três cadeiras no parlamento com as eleições de Eurídio Ben-Hur Ferreira, Anilson Rodrigues e a reeleição de José Orcírio.

 

 

Em 1998, o PT lançou Zeca como candidato ao governo do Estado. No início da campanha, tal candidatura não passava do terceiro lugar nas pesquisas de intenção de votos. Tinha a sua frente, Ricardo Bacha (PSDB), apoiado pelo então governador Wilson Barbosa Martins (PMDB) e o ex-governador Pedro Pedrossian (PTB).

 

 

Realizado o primeiro turno daquela eleição, os números colocaram Bacha como primeiro classificado e Zeca em segundo lugar, deixando para trás o experiente administrador Pedrossian. No segundo turno, com apoio maciço de diferentes categorias da sociedade sul-mato-grossense e de políticos influentes, como o próprio Pedrossian, os eleitores escolheram o candidato petista para governador, com mais de 500 mil votos. Reelegeu-se em 2002, ao vencer a então deputada federal tucana Marisa Serrano. No dia 1º de janeiro de 2007, encerrou seus oito anos de administração ao transmitir o cargo a André Puccinelli (PMDB).

 

 

No outro lado do embate eleitoral deste ano, encontra-se o atual governador André Puccinelli que concorre à reeleição. Formado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), André (seu nome de batismo na verdade é Andrea Puccinelli) nasceu na cidade italiana de Viaregio, no dia 2 de julho de 1948. Após seu nascimento, seus pais vieram para o Brasil, fixando-se primeiramente em Porto Alegre-RS e depois em Curitiba-PR. Iniciou sua carreira profissional e política no município de Fátima do Sul-MS, onde ajudou a fundar o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), pelo qual disputou, sem êxito, a prefeitura nas eleições de 1982. Um ano depois mudou-se para Campo Grande. Atuou como secretário de Estado de Saúde na primeira gestão de Wilson Barbosa Martins (PMDB) (1983-1986). Em 1986, elegeu-se deputado estadual e reelegeu-se em 1990. Nas eleições de 1994, despontou-se como o mais votado entre os concorrentes a vaga de deputado federal. Elegeu-se prefeito de Campo Grande em 1996, sendo reeleito em 2000. No primeiro semestre de 2002, era tido como candidatíssimo a governador, numa disputa que prometia ser quente, pois estaria concorrendo com o então governador Zeca. Contudo, por motivos pessoais, Puccinelli optou por encerrar seu mandato de prefeito e adiar a disputa pelo governo para 2006, quando foi eleito logo no primeiro turno.

 

 

Apresentado essa breve biografia dos candidatos, tratamos agora da revanche que se encontra descrita no título do artigo. Esta refere-se ao polêmico pleito de 1996 na capital do Estado, quando estava em jogo a sucessão do prefeito Juvêncio. Concorreram naquelas eleições os seguintes nomes: o deputado federal André (PMDB), Carlos Leite (PV), o senador Levy Dias (PPB), o deputado federal Nelson Trad (PTB) e o deputado estadual Zeca (PT). Conforme a historiadora Marisa Bittar (1997), esta eleição teve um significado muito importante, pois pela primeira vez uma candidatura oposicionista ameaçou substituir o PMDB, que havia 10 anos governava Campo Grande.

 

 

Realizado o primeiro turno, o candidato Zeca do PT saiu na frente com 101.657 votos contra 81.217 votos dados a Puccinelli. Contudo, a surpresa veio no segundo turno. Zeca alcançou 130.713 votos e André, 131.124. A diferença da derrota petista foi de apenas 411 votos. Foi a eleição mais acirrada e polêmica da história campograndense. O PT chegou a recorrer na justiça eleitoral, entretanto não obteve resultado satisfatório.

 

 

Encerradas as convenções partidárias neste ano, está tudo definido para um novo sufrágio democrática em Mato Grosso do Sul. O atual governador vem com um arco de aliança que abarca 14 partidos: PMDB, PSDB, DEM, PR, PTB, PTC, PTN, PSC, PMN, PSB, PT do B, PRTB, PPS e PHS, e tem como candidata a vice, a ex-prefeita de Três Lagoas, Simone Tebet (PMDB) e dois candidatos ao Senado Federal, Waldemir Moka (PMDB) e Murilo Zauith (DEM).

 

 

Zeca, por sua vez, tem como partidos coligados: PT, PDT, PV, PC do B, PSDC, PRP, PP e PSL. Também escolheu uma mulher como vice, a advogada douradense e professora universitária Tatiana Ujacow (PV), e a senadores Delcídio do Amaral (PT) e Dagoberto Nogueira (PDT).

 

 

Além destas duas candidaturas, é importante lembrar, em respeito à opção de escolha dos eleitores, que foi registrada uma terceira candidatura, a do comerciante Ney Braga (PSOL).

 

 

As eleições 2010 no Estado prometem ser disputadíssimas, pois os principais rivais são nomes de peso na atual conjuntura política estadual e contam com importantes aliados. Espera-se que tais candidatos proporcionem ao eleitorado, não uma mera disputa pessoal, mas sim um verdadeiro embate de discussão de projetos e modelos de gestão. Que façam um jogo limpo, com uso das idéias e não do abuso do poder econômico e da máquina pública. Que apresentem propostas viáveis para tornar Mato Grosso do Sul uma Unidade da Federação cada vez mai

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Aranha descobre marca de pata de gato de Gabriel, tira foto e conta aos guardiã
SUSTO
Celular pega fogo no bolso da calça e deixa homem com queimaduras na perna e mãos
PROCURADO
Com prisão decretada desde setembro, Dado Dolabella é considerado foragido da Justiça
DICAS DE MARKETING
5 dicas de marketing para um negócio de dropshipping
CRIME HEDIONDO
Câmera flagra ataque de suspeito de estuprar garota de 14 anos em SP; vídeo
TERROR
Ataque dentro da Catedral deixa ao menos cinco mortos em Campinas
REVIDE
Passageiro atropelado por motorista de aplicativo após vomitar em carro está em coma
A SERVIÇO DE DEUS
Angela Bismarchi festeja diploma para ser pastora: ‘Eu era pecadora e não sabia’
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Luz dá caixa com terra de cova de Gabriel para Valentina
INTOCÁVEL
PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF não concede