Menu
SADER_FULL
segunda, 25 de março de 2019
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
ÁGUAS DE BONITO
Brasil

Artigo “O Mesmerismo do Mesmismo” de André do Paladino

20 Ago 2004 - 09h17

Pontos a Ponderar:

 

“O Mesmerismo do Mesmismo”

* André do Paladino

 

 

A rotina é claudicante. Os mesmos participantes; Os mesmos grupos “xupins” e os mesmos “sanguesugas”; Os mesmos pucha sacos; Os mesmos “aspones”, entre outras mesmices que o pejo e a peta permitem. E nesta rotina, de dois em dois, anos acontece a maratona “eletificante” do arrivismo que movimenta a “vontade e os anseios” nacionalistas. Porém, o “sangue” que corre é o de afoitos lobistas e clientelistas, que no fringir dos ovos estão a serviço de seu próprio bem estar. Pouco importando com as quetões nacionais ou patrióticas. E na rotina focada temos as eleições. E nesta “disputa” (mas não diz), poucos usam a “borduna” conta o “tacape” dos mínimos, tentando conseguir o apoio e a “ingênua” concordância” dos “espoliados, excluídos e famintos”, que são a maioria, armando o circo de orgias em benesses que são prometidas e se “esfumam” no engodo que premia somente ao “ungido”, e isso é infame.

Ninguém merece, mas todos concordam. É a regra. Todos tem motivos claros e posições “enaltecedoras”. O Sistema modifica as regras. E quem modifica o Sistema? É tabu. Tênue e timidamente é “a força do povo” que exerce a Democracia. E o quê é Democracia? É a convicção firme: Liberdade, Igualdade e Justiça. Então?! Algo esta errado. Porquê? Ora, continua tudo no “ora veja”. Batalhas travadas, lutas vencidas. “Continua tudo como dantes no castelo de Abrantes”, arquivado na maarezia do utópico. Na mesmice antropofágica. No mesmismo coprofálico. No mesmerismo simbiótico conflitante. E os mesmos sendo os mesmos. Concentrados no ritual de “que costado de submisso” é o vau de propulsão no “vão” de ascesso ao poder. E fazem mudanças... Mudam-se “os cachorros” permanecem as “Coleiras”. Mudam-se as “coleiras” permanecem os “cachorros”. E nesse escarcéu inicia a “babel”. E o “ladrar” deles, reúne a “a alcatéia” dos apaniguados para dividir “o farnel”. Eis então, a confirmação da figura literária esposada, tipificando o “mesmerismo” de que nada muda no sofísma do insofismável. E, afinal, muda-se tudo: O canto da sereia para o crocitar do gavião; A lira da poesia para o troar do canhão; O amor que no peito ardia para o suor da escravidão; O trabalho que o progresso exigia para a sovinice da servidão; A grandeza da alma purificada pela força da ambição. E no final, a cobiça megalomaníaca exacerbada de uns em detrimento de outros.

É preciso acordar. Semear o amor. Contemplar a Luz. Buscar na redoma as reservas morais, puras sem contaminação. Abandonar as querelas feudais na rota claudicante. Com a mente eclética buscar o combustível filosófico que as ponderações sobre o tema usado propõem, no aforismo dos conceitos que David e Salomão expressaram. São os Pontos a Ponderar. Enquanto seguimos “de pé, firme, em frente e para o alto”, livres, iguais e justos, com fé e esperança.

 

* Pércio André Roos – Jornalísta

Deixe seu Comentário

Leia Também

CIUMES
Marido vê foto de outro no celular e agride mulher na cabeça e a joga para fora do carro
ORAÇÕES
Estado de saúde de Cláudia Rodrigues (a diarista) é grave
PAULISTÃO IV
“Hoje foi realmente a estreia do São Paulo”, diz Mancini após vitória
PAULISTÃO III
Carille vê Corinthians abaixo: “Fomos premiados com o empate”
PAULISTÃO II
Com falha e ‘milagre’ de Prass, Palmeiras busca empate com gol de estreante
PAULISTÃO
Santos aproveita falhas do Red Bull e abre boa vantagem no Pacaembu
MOSTRA MONITORAMENTO
Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação
CRIME NA MADRUGADA
Mulher é brutalmente assassinada; carro foi visto deixando o local
CRIMINOSO FORAGIDO
Homem invade apartamento para roubar e estupra adolescente
FAMOSIDADES
Leonardo não foi ao casamento da filha, Jéssica, porque se irritou com o "cache" recebido pelo casal