Menu
SADER_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Artigo "A democracia e os privilégios" de Antonio Néres

2 Set 2004 - 10h00

A DEMOCRACIA E OS PRIVILÉGIOS

 

Antonio Néres

 

O povo brasileiro tem histórica vocação para a democracia. Sempre soube resistir a regimes totalitários de forma a buscar persistentemente o Estado de direito, no qual a tutela jurídica garante, no mínimo a igualdade formal entre os cidadãos, de forma a que todos se submetam ao mesmo conjunto de leis e de normas, sem discriminações.

 

Ao optar pelo sistema consagrado da divisão de poderes, fruto da elaboração teórica dos contratualistas franceses, os brasileiros garantem um funcionamento regulara das instituições, com equilíbrio entre elas. É assim que temos um poder Judiciário, um poder Executivo e um poder Legislativo, todos funcionando de acordo com a Constituição.Os cargos e as funções nesses poderes são acessíveis a todos os brasileiros, na forma da lei.

 

Assim, no Judiciário, a regra geral é o concurso público. No Legislativo e no Executivo, procede-se mediante eleição, com mandatos previamente estabelecidos e periodicamente renováveis. Tudo isso se torna perfeitamente factível se citarmos que o nosso atual presidente ascendeu ao poder vindo diretamente das classes populares, da base da pirâmide social.

 

 Contudo, tais mecanismos de representatividade e de fiscalização do exercício do poder de mando não estão isentos de erros e de deturpações. Recentemente, o país descobriu estarrecido, salários estratosféricos na Assembléia Legislativa mineira. Há, ainda, o caso do auxílio-moradia, no qual alguns parlamentares federais recusam apartamentos funcionais e embolsam quantias vultuosas com as quais adquirem imóveis para incorporar ao seu patrimônio, desvirtuando a finalidade da verba.

 

 A imprensa noticia que um suplente de senador que assumirá o cargo por 15 dias terá assistência médica pelo resto da vida, paga pelo contribuinte.Além disso, sabe-se que desde de 1995 essa assistência é vitalícia e extensiva aos dependentes, mesmo que o beneficiário não mais exerça cargo eletivo.

 

 São tantos os casos de estabelecimento de privilégios indevidos que, embora com base legal, salta aos olhos a intempestividade e a imoralidade dessas medidas, com evidente interesse por parte das autoridades públicas em legislar em causa própria. Seria pedagógico e saudável colocar acima de tudo o interesse público. Se nossos representantes evitarem distorções como as citadas acima, certamente nossa democracia se configurará fortalecida.

 

 O autor é radialista e jornalista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos