Menu
LIMIT ACADEMIA
segunda, 21 de janeiro de 2019
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Aprovação a Lula passa de 38% para 35%

26 Ago 2004 - 09h41
Pesquisa Datafolha realizada de 17 a 19 de agosto revela que a taxa de aprovação ao governo Lula no país caiu de 38% para 35% em relação à pesquisa anterior, realizada em 1º de março de 2004.

A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. Essa é a menor taxa de aprovação desde o início da atual gestão. A taxa de reprovação, porém, permaneceu em 17%: o que variou foi a proporção dos que consideram o governo regular, de 43% para 45%. A nota atribuída ao governo é de 6,2.

O diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, 43, adverte porém que é provável que o presidente esteja agora numa trajetória de recuperação da popularidade: "Como nós captamos uma tendência anterior de queda em pesquisas realizadas na capital paulista em maio e junho, é possível depreender que essa taxa de 35% represente na realidade uma recuperação de sua popularidade".

Paulino destaca a semelhança entre a aprovação a Lula e os os índices obtidos por Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso após um ano e meio de mandato: 37% para Itamar em agosto de 1994 (um ano e nove meses) e 30% para FHC em junho de 1996 (um ano e seis meses de gestão).

O resultado de Itamar já refletia o êxito do Plano Real no combate à inflação; o de FHC estava influenciado por temores em relação ao desemprego e pela reação negativa ao massacre de Eldorado do Carajás, em abril. Três meses depois, porém, a aprovação a FHC já havia subido para 43%, num momento em que o desemprego recuava (de 6,28%, em junho, para 5,63%, em setembro) e a propaganda eleitoral dos partidos governistas enaltecia o Real.

A aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é bastante superior à obtida pelo presidente Fernando Collor de Mello (18%), bastante afetada pelo recrudescimento da inflação após o fracasso do Plano Collor 2, em fevereiro, e às taxas obtidas por FHC em 2000 (19% em junho e 23% em outubro), reflexo das dificuldades econômicas herdadas da maxidesvalorização do real em 1999 e da elevada taxa de desemprego.

Detalhando a pesquisa por estratos do eleitorado, percebe-se a aprovação a Lula caiu seis pontos percentuais entre as mulheres, os eleitores das cidades do interior e os moradores do Nordeste. A mesma taxa caiu cinco pontos no Norte/Centro-Oeste e nas faixas de 16 a 24 anos e de 35 a 44 anos. No sentido inverso, destaca-se a queda de oito pontos percentuais na taxa de reprovação a Lula nos eleitores com renda mais elevada.

A reforma da Previdência (que atingiu inativos do setor público) não afetou a aprovação a Lula no estrato com 60 anos ou mais, no qual ele alcança uma aprovação de 43%. A menor aprovação por faixa etária ocorre entre os eleitores com 45 a 59 anos (32%).

A aprovação a Lula diminui à medida que aumenta o nível de escolaridade (37% entre os eleitores que têm apenas o ensino fundamental, 34% entre aqueles com ensino médio e 30% entre os com nível superior). Nos demais casos, porém, não é possível discernir um padrão de variação. A aprovação é maior no interior (36%) do que nas capitais e regiões metropolitanas (33%), e maior no Sul (37%) do que no Sudeste (34%).
 
Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

CENAS FORTES
Vídeo flagra mulher sendo agredida por ex-marido com socos e chutes
GUERRA NO RJ II
Parentes de mortos durante chacina em São Gonçalo e Itaboraí dizem que vítimas eram inocentes
GUERRA NO RJ
Chacina deixa pelo menos 7 mortos na Região Metropolitana do Rio
BBB 19
Famosos protestam contra Maycon por agredir animais e mãe o defende: 'Não é um monstro'
MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação