Menu
SADER_FULL
quinta, 17 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

Anvisa quer melhorar higiene de ''comida de rua''

8 Set 2004 - 15h32
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está fazendo parcerias para garantir que a tradição brasileira de consumir alimentos na rua não prejudique a saúde do consumidor. Os técnicos da Anvisa estão trabalhando com o objetivo de aumentar o controle da qualidade dos produtos comercializados ao ar livre. A idéia é treinar as pessoas que trabalham diretamente na fabricação de sanduíches, churrasco, frango assado, acarajé, peixe frito, sucos, sorvetes, a produzir esses alimentos com rigorosos métodos de higiene, limpeza e livres de contaminações.

O manual "As Boas Práticas de Fabricação" reúne normas sobre higiene e segurança recomendadas pela Anvisa durante a fabricação de alimentos. Nos treinamentos, os técnicos da agência também promovem a Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle, que é um sistema preventivo para evitar contaminações.

O acarajé da Bahia, uma das comidas típicas mais apreciadas no Brasil, agora é nota dez. Uma parceria entre o Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Microempresa (Sebrae), o Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária está permitindo que as baianas do acarajé melhorem a qualidade do produto vendido em todas as ruas da capital baiana.

O projeto acarajé 10 é um orgulho da baiana Tânia Meire, que faz questão de manter as tradições da culinária de seu estado na barraca localizada no Farol da Barra, em Salvador. Todos os anos, o acarajé recebe um selo de qualidade dos técnicos da Anvisa, que visitam sua cozinha para testar o produto. “Eu aprendi a valorizar ainda mais a minha cultura e as minhas raízes. O curso serviu para melhorar a qualificação no meu trabalho”, explica Tânia Meire. Técnicas de higiene, formas adequadas de manipular e conservar os alimentos para evitar a contaminação são alguns itens ensinados às baianas que vendem acarajé nas ruas, restaurantes e bares da capital baiana.

Tânia Meire diz ainda que hoje adota todos os procedimentos necessários para fazer o acarajé. "Hoje eu tenho uma rotina na cozinha e no manuseio dos produtos que utilizo para fazer a massa do acarajé, o vatapá, o camarão e o vinagrete que não consigo alterá-la”, lembra.
Tânia diz ainda que depois do curso tornou-se uma empresária. “O curso me deu uma noção da quantidade de acarajé que devo fazer para não ter prejuízo, respeitando a demanda de meu dia de trabalho para não sobrar nada. Isso reduz o custo e me livra dos prejuízos. “Eu me considero uma empresária e preciso manter o padrão do produto que vendo para garantir a clientela”, afirma.

O sorvete do Rio Grande do Sul também está na rota de qualidade. A Anvisa constatou, em 2001, que quase metade do sorvete consumido naquele estado apresentava problemas de contaminação. Mas essa realidade mudou. A Anvisa e o Senai implantaram no estado o Programa de Alimento Seguro, que mudou o comportamento dos empregados das empresas para assegurar a qualidade do produto vendido nas ruas.

Ariosto Gomes garante que na sorveteria em que trabalha o consumidor tem certeza de que o produto que sai da loja tem cem por cento de qualidade. Agora se o cliente levar o sorvete para casa e deixá-lo fora do freezer, isso pode alterar o produto, alerta Ariosto.

No Acre e no Ceará, os pequenos agricultores estão conseguindo produzir farinha de mandioca com qualidade. Com isso, eles podem vender o produto para a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Os técnicos da Conab avaliam e classificam a farinha, que vai fazer parte dos estoques reguladores do governo federal ou compor as cestas básicas que o Programa Fome Zero distribui para as famílias carentes.

Segundo o gerente de Agricultura Familiar da Conab, Paulo Coutinho, a idéia do programa é utilizar o conhecimento do pequeno produtor de farinha, aliado a técnicas que vão garantir ao consumidor um produto livre de contaminação. O produtor ganha na hora de vender a sua farinha, classificada por um técnico da Conab, que paga acima do valor de mercado, explica Coutinho.

No Ceará, o superintendente da Conab, Marco Alverne, diz que 40 toneladas de farinha de mandioca estão sendo compradas dos pequenos produtores do estado. “Além de acabar com a figura do atravessador, o produtor vende a saca por R$ 50, quando no mercado ele receberia apenas R$ 38”, informa. “É bom para o consumidor e bom para o produtor e, com isso, fortalecemos a economia das pequenas cidades com a entrada de dinheiro do agricultor” acrescenta.

O gerente de Qualificação em Alimentos da Anvisa, Fernando Magalhães, destaca que o trabalho, com o apoio do Sebrae, Sesi, Sesc e Senai, dá oportunidade aos ambulantes de entender o processo de produção e comercialização. São ferramentas simples que mostram formas adequadas de manuseio de alimentos. Os cursos são rápidos, com linguagem fácil e acessível para os pequenos produtores, e fazem a diferença tanto para quem vende quanto para quem consome, explica Magalhães.

Os 3,5 mil técnicos estaduais e municipais de vigilância sanitária estão passando informações para os vendedores ambulantes de alimentos e fazendo fiscalizações. "Na hora do corre-corre nas cidades, muitas vezes não temos tempo de escolher. Nosso trabalho é treinar as pessoas que estão fazendo esses alimentos e fiscalizar para garantir uma comida de boa qualidade sem prejuízo da saúde do consumidor”, conclui o gerente.
 
 
Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

CARNAVAL É NO CAMPO BELO RESORT
Carnaval é no Campo Belo Resort, reserve já seu lugar nesse bloco - Confira os pacotes
MS EM ALERTA
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana no MS
DECEPCIONADA
Regina Duarte surpreende e se posiciona contra atitude de Bolsonaro
SATÂNICO
Mulheres são presas acusadas de torturar criança de apenas dois anos que teve rosto desfigurado
INSPIRAÇÃO
Idoso se forma em Direito aos 94 anos, após morte da esposa
POLEMICA
Movimento Gay quer tirar Bíblia de circulação no Brasil, diz Damares
TRAGÉDIA NA FAMILIA
Homem atira em esposa e se mata com granada
SUPERAÇÃO
Pedreiro cadeirante enfrenta difilculdades e sustenta a família trabalhando em obras
GASES MORTAIS
Homem morre após segurar peidos na casa da namorada
REALITY SHOW
'BBB 19': Danrley diz ser virgem, e irmã brinca: 'Nem no signo'