Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
segunda, 21 de janeiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Andrés repete estratégia que implodiu Clube dos 13 e ataca Conmebol 31

5 Set 2013 - 09h16Por Uol

Em abril de 2010, Fábio Koff foi reeleito para presidir o Clube dos 13, entidade que representava interesses comerciais dos times de futebol do Brasil. Meses depois, um movimento que teve participação ativa de Andrés Sanchez implodiu a instituição e mudou radicalmente a negociação de direitos de mídia no país. Três anos depois, o ex-mandatário do Corinthians articula um movimento similar e pode subverter as regras para tentar ganhar poder.

Sanchez é peça central de um encontro realizado em São Paulo na última quarta-feira. A reunião teve 20 representantes de clubes, dez ex-jogadores e três sindicatos nacionais de atletas, e o principal motivo foi discutir mudanças na gestão da Conmebol, entidade que gerencia o futebol na América do Sul.

O ataque à Conmebol pode ser considerada a primeira peça de campanha de Sanchez, que deixou a diretoria de seleções da CBF em dezembro do ano passado e desde então vinha se concentrando na construção do novo estádio do Corinthians. A dúvida é: campanha para quê?

Oficialmente, Sanchez é opositor da atual gestão da CBF. O mandato do presidente José Maria Marin termina em abril de 2014, e ele deve indicar Marco Polo del Nero, vice da entidade e mandatário da FPF (Federação Paulista de Futebol).

No jogo político, a dupla Marin-Del Nero já conseguiu apoio da maioria das federações estaduais de futebol. Os dois foram beneficiados pela rejeição sofrida por Andrés Sanchez nessas entidades, que são as responsáveis por eleger o presidente da CBF.

Sanchez já disse repetidas vezes que não será candidato à presidência da CBF. No entanto, assim como aconteceu no Clube dos 13, ele pode trabalhar por um nome de oposição.

O escolhido em 2010 foi Kléber Leite, que já havia presidido o Flamengo. Mesmo com apoio da CBF, ele teve apenas oito votos e perdeu para Fábio Koff, que recebeu 12 e foi reeleito. Sanchez foi um dos principais cabos-eleitorais do candidato derrotado.

A derrota de Leite para Koff deflagrou um processo de implosão do Clube dos 13. Clubes abandonaram o modelo de negociação coletiva de direitos de mídia, principal razão de ser da entidade, e passaram a conversar individualmente com as emissoras interessadas. Em abril de 2011, quando assinou com o Atlético-MG, a Globo já tinha negociações concluídas com 18 equipes.

O processo de individualização da negociação de mídia foi capitaneado por Andrés Sanchez, que na época presidia o Corinthians. Isso foi o cerne da dissolução do Clube dos 13.

O cenário da última quarta-feira lembrou muito o que aconteceu em 2010. A começar pela valorização das equipes em detrimento das federações. "O futebol é baseado em três pilares, que são os clubes, os jogadores e os torcedores", teorizou Sanchez.

"Chega um momento em que os clubes precisam passar por cima das federações. Estou no clube há muito tempo e coloco dinheiro do meu bolso no clube. Não aceito pessoas que façam o contrário e tirem dinheiro do futebol", declarou Eduardo Ache, presidente do Nacional de Montevidéu.

O ataque à Conmebol reflete um momento de fragilidade da entidade. O paraguaio Nicolás Leóz, cujo mandato iria até 2015, renunciou neste ano. A justificativa oficial é que ele teve problemas de saúde. O uruguaio Eugenio Figueredo assumiu a presidência da instituição.

O que aproxima as histórias do Clube dos 13 e da Conmebol é que Andrés Sanchez, enfraquecido politicamente nos meios oficiais, resolveu recorrer mais uma vez a meios diferentes. No entanto, ele fez a primeira campanha com apoio da CBF e da Globo – a emissora ainda não se posicionou sobre o novo movimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MORTE A ESCLARECER
Exército investiga morte de sargento após teste de aptidão física
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
MINISTRA DO MS NO GOVERNO BOLSONARO
Ministra Tereza Cristina garante fortalecer cadeia do leite e agricultura familiar
PROBLEMAS MENTAIS
Casal é brutalmente agredido a enxadadas pelo filho
BARRADO
Filho do cantor Marciano diz ter sido impedido de ir no velório do pai
A COBRA VAI FUMAR - SEGURANÇA NO MS
MS fecha o cerco contra a violência na fronteira em mega operação
LUTO NA MÚSICA
Marcelo Yuka, fundador do Rappa morre aos 53 anos
ROTEIRO ESPECIAL PARA O RIO DE JANEIRO
Roteiro diferente para continuar conhecendo o Rio de Janeiro
DICA DE TURISMO E FÉRIAS
Dicas para curtir uma temporada em Arraial do Cabo
LUTO - ESPORTE
Morre Jackelyne da Silva, ginasta da seleção brasileira, aos 17 anos