Menu
SADER_FULL
quarta, 20 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
CANTINA BAH
Brasil

André quer cobrar 4 reais a cada 80 quilômetros da 163

5 Mai 2007 - 08h09
O governador André Puccinelli (PMDB) confirmou ontem, em Ponta Porã, que quer estadualizar a BR-163 e cobrar R$ 4 a cada 80 quilômetros percorridos. Para o governador, a estadualização da BR-163 é uma das alternativas para tentar tirar o Estado do sufoco financeiro. Ontem, durante solenidade de assinatura de convênio na Prefeitura de Ponta Porã, André disse que, com a cobrança do pedágio, será possível duplicar a rodovia em um prazo máximo de 10 anos.

Esta não é a primeira vez que André fala em cobrança de pedágio. Em janeiro deste ano, o governador já havia abordado o assunto em Brasília, durante reunião com a ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, e o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. A idéia do Governo do Estado é realizar o projeto por meio de Parceria Público-Privada (PP) ou outorga onerosa, que é o exercício do direito de construir, mediante contrapartida financeira por parte do beneficiário.

Em Ponta Porã, André disse que pretende duplicar o trecho da BR que vai de Sonora a Mundo Novo, município localizado na fronteira com o Paraná. "Vamos cobrar R$ 4 a cada 80 quilômetros, enquanto em São Paulo o valor cobrado é de R$ 5 a cada 50 quilômetros", citou.

A BR-163 é uma das principais rodovias que cortam o Estado. Por ela trafegam cerca de seis mil veículos diariamente, sendo mais de quatro mil de transporte de cargas, dentro do perímetro urbano de Campo Grande.

Numa extensão de mais de 800 quilômetros, a BR-163 corta o Estado de norte a sul, passando por cidades como Sonora, Coxim, Rio Verde, São Gabriel do Oeste, Bandeirantes, Jaraguari, Nova Alvorada, Rio Brilhante, Caarapó, Juti, Naviraí, Itaquiraí, Eldorado, Mundo Novo, além dos dois maiores municípios do Estado, Campo Grande e Dourados.

Reclamações – Durante a passagem por Ponta Porã, o governador ouviu reclamações de comerciantes que querem política diferenciada para a região de fronteira. O prefeito Flávio Kayatt (PSDB) explicou que os comerciantes enfrentam concorrência desleal com o comércio paraguaio.

"É muito difícil a concorrência na fronteira. Enquanto em Ponta Porã os produtos comercializados são acrescidos do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), no lado paraguaio, os mesmos produtos são vendidos sem a incidência desses impostos, o que inibe o crescimento do comércio brasileiro. Precisamos de uma política diferenciada para a região", disse Kayatt.

André pediu que fosse agendada reunião dos comerciantes da fronteira para discutir a questão em Campo Grande, mas adiantou que, em virtude do Código Tributário Nacional, existem situações que não podem ser mudadas. "As decisões precisam ser convalidadas pelos outros 26 estados da federação", justificou.

Correio do Estado

Deixe seu Comentário

Leia Também

SUPERAÇÃO
Jovem que morou 5 anos nas ruas se forma em Direito
FENÔMENO
Maior superlua de 2019 iluminará o céu nesta terça, 19
FAMOSIDADES
Padre sertanejo acusado de ostentação cobra entrada de idosos para assistir programa
ACIDENTE FATAL
Adolescente é atropelada quando levava pai em cadeira de rodas, veja o vídeo
VIOLENCIA DOMESTICA
'Não consigo reconhecê-la', diz irmão de mulher espancada no 1° encontro
O REI ROBERTO CARLOS
Roberto Carlos vestiu rosa e se mostrou contrário a projeto de Jair Bolsonaro
BRIGA NO PLANALTO
Magoado e traído, Bebianno não vai poupar filho de Bolsonaro
TRÁGICO
Mãe do piloto de Ricardo Boechat morre três dias após o filho
OUTROS 10 ESTADOS
Horário de verão termina à meia-noite; relógios devem ser atrasados em 1h
BARBÁRIE
Rosane Santiago Silveira, torturada e morta em sua própria casa