Menu
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
sexta, 22 de fevereiro de 2019
LIMIT ACADEMIA
Busca
ITALÍNEA
Brasil

André eleva repasses para a Saúde no Estado em 338%

14 Jul 2010 - 07h05
O Governo do Estado reservou em 2010, R$ 860 milhões para os investimentos em saúde, um incremento de 88% ao que foi aplicado em 2006, último ano do governo passado, quando foram reservados R$ 456 milhões. Mato Grosso do Sul, conforme relatório de gestão fiscal publicado no Diário Oficial, ano passado comprometeu 13,07% da receita líquida com assistência médico-hospitalar, cumprindo a determinação da emenda constitucional 29 que fixa em 12% o gasto mínimo dos estados com saúde.

Por decisão do governador André Puccinelli o governo suspendeu os efeitos da chamada lei do rateio, instituída pela administração anterior, que contabilizava como gastos em saúde, despesas do Governo como a contrapartida do Estado (equivalente a 3% do salário dos servidores) a contribuição para o plano de saúde do funcionalismo (a Cassems) e os gastos com a manutenção da máquina pública, como a elaboração da folha de pagamentos dos servidores da saúde, a estrutura de arrecadação. Por conta do rateio, em 2006 o percentual mínimo da receita líquida que na realidade ficou em 6%, chegou a 11%.

Em quatro anos os repasses para os municípios cresceram 338%, passando de R$ 16 milhões há quatro anos para R$ 70 milhões neste ano. Os repasses para Dourados, por exemplo (onde a situação era mais delicada e exigia uma ação rápida), que em 2007 totalizaram R$ 1,5 milhão, fecharam ano passado em R$ 14 milhões e nos primeiros cinco meses de 2010, alcançaram R$ 4,3 milhões. Corumbá que em 2007 recebeu R$ 961 mil, teve ano passado R$ 5,6 milhões.

Foram ampliados os repasses para prefeituras e instituições de saúde como a Santa de Casa de Campo Grande, que recebe R$ 200 mil por mês para ajudar no seu custeio, ou o Hospital Universitário de Dourados, que tem assegurados R$ 150 mi. O Governo também investiu R$ 15,4 milhões para concluir e equipar os hospitais de Coxim, Chapadão do Sul, Nova Andradina e Fátima do Sul, abrindo 365 novos leitos hospitalares na rede pública (65 só para UTI).

O Hospital Regional Rosa Pedrossian da Capital, recebeu R$ 10 milhões, ampliando sua capacidade de atendimento como hospital de referência. “É fundamental estruturar uma rede pública de atendimento nas cidades pólo do interior”, lembra o governador.

O Hospital de Coxim foi o que exigiu maiores investimentos, R$ 12 milhões. A construção estava parada há sete anos. São 86 leitos, dez Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), quatro salas de urgência e capacidade de atender aproximadamente 500 pessoas por dia, beneficiando 76,5 mil habitantes da região norte do Estado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico
REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Aposentadoria é para viver, não para receber só à beira da morte
CHANTAGEM
Ladrões invadem estabelecimentos, obrigam funcionárias a tirarem a roupa, filmam e extorquem vítimas
FORAGIDO
Atirador invade escritório de advocacia e mata duas pessoas
BBB 19
Rízia chora por estar acorrentada: 'Vontade de desistir'
LARANJADA
Deputados do PSOL distribuem laranjas na chegada de Bolsonaro à Câmara