MEGA_OKA_CARROS_
FatimaNews - Notícias de Fátima do Sul e região
Fátima do Sul, 18 de Outubro de 2017
DELPHOS_FULL
9 de Setembro de 2004 16h31

Algodão da Embrapa terá gene de aranha

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) prepara para o segundo semestre de 2005 a primeira colheita experimental de um algodão com genes da teia de uma aranha brasileira. A novidade foi divulgada ontem em Florianópolis (SC), durante o 50º Congresso Brasileiro de Genética, promovido pela SBG (Sociedade Brasileira de Genética).

A intenção é ter genes da aranha funcionando no capulho, a cápsula dentro da qual se forma o algodão. "Esperamos que a proteína [da teia] faça parte da composição da própria fibra", explica o biólogo da Embrapa Elíbio Rech.

Com o truque genético, os cientistas esperam desenvolver uma fibra mais flexível e resistente --duas características da teia, até hoje não sintetizada pelo homem-- para prover inicialmente a indústria têxtil. "O maquinário das fábricas avançou de forma muito rápida e pede um material mais resistente", afirma Rech. O algodão se rompe com facilidade nessas máquinas, diz.

O novo tecido poderia ser usado para a confecção de roupas esportivas e equipamentos de segurança, por exemplo. Hoje, coletes à prova de bala são produzidos com Kevlar, fibra artificial cinco vezes mais forte do que o aço. A aranha produz, naturalmente, um material três vezes mais resistente do que o Kevlar --e mais leve.

Não à toa o projeto da Embrapa despertou a atenção do Ministério da Defesa, que apóia o trabalho. Quatro universidades públicas (USP, Unicamp, Unifesp e UnB), além do Instituto Butantan, participam da iniciativa.

Biorreatores

O algodão transgênico é apenas parte dos planos da Embrapa para a teia de aranha. A instituição experimenta também outras formas de síntese do material. Entre elas, está a utilização de bovinos como biorreatores --animais com a capacidade de produzir o polímero no leite.

Três fetos já foram criados na fazenda da Embrapa no Distrito Federal --dois foram abortados para análise pelos pesquisadores e um morreu no parto. "O importante é que detemos a tecnologia no país", disse Rech.

Biorreatores para a produção de teia de aranha não são novidade no mundo. Em 2002, uma empresa canadense, a Nexia Biotechnologies, obteve filamentos de teia derivados de proteínas obtidas no leite de cabras transgênicas.

Para aplicar a mesma tecnologia no Brasil sem esbarrar em patentes estrangeiras, a Embrapa trabalha apenas com espécies nativas de aranha.

Até agora, ela seqüenciou o código genético da teia produzida por uma espécie da mata atlântica --cujo nome Rech prefere não divulgar, pois o pedido de patente ainda não foi depositado. "A teia produzida por essa aranha tem uma estrutura diferente da determinada em patentes americanas", diz o biólogo.

O plano é decifrar o genoma de mais duas espécies, uma da Amazônia e outra do cerrado. "Assim também agregamos valor à biodiversidade brasileira."

Abracadabra

O congresso foi aberto anteontem na capital catarinense e vai até amanhã. Segundo a organização, há 2.634 inscritos, dos quais 1.997 são estudantes. "O congresso tem essa característica, de inspirar os estudantes", disse o presidente da SBG, Pedro Galetti Jr.

Tradicionalmente, é realizada uma palestra para abrir o evento. Neste ano, a organização preferiu contar com a apresentação de um mágico, que comparou seu trabalho com o dos geneticistas. "Com a diferença que os geneticistas desvendam segredos para depois divulgá-los", disse o mágico Bianco para a platéia. "Nem sempre", respondeu baixo uma espectadora sentada ao lado da reportagem.
 
Folha Online
Comentários
Veja Também
REINO_MATRÍCULAS_2017
LIMIT ACADEMIA_BOTTON
Nossa_Lojas
Últimas Notícias
  
BANNER_LATERAL_ASSOMASUL
Eventos
dothCom © Copyright FatimaNews - Todos os Direitos Reservados.