Menu
SADER_FULL
segunda, 25 de junho de 2018
PASSARELA
Busca
DR. SHAPE
Brasil

Agência de risco melhora nota da dívida externa do Brasil

18 Set 2004 - 11h14
A agência de classificação de risco norte-americana Standard & Poor´s elevou o nota de crédito da dívida de externa do Brasil de B+ para BB-. A perspectiva também foi revisada de "positiva" para "estável". A classificação para a dívida externa de curto prazo foi mantida em B. A nota para a dívida interna continua em BB e a perspectiva foi mantida "estável".

O mercado brasileiro passou o dia todo especulando sobre a nova classificação do Brasil, o que se confirmou após o fechamento dos negócios. O dólar e o risco Brasil fecharam na menor cotação desde janeiro e a bolsa ultrapassou os 23 mil pontos, em alta de 0,86%, com giro R$ 1,265 bilhão. O volume de negociação do after market (mercado eletrônico) bateu recorde histórico de R$ 26,361 milhões, em 1.468 transações, após o anúncio da Standard & Poors.

Segundo comunicado da S&P "a elevação reflete a melhora notável na posição de liquidez externa do Brasil e a melhor dinâmica fiscal, em meio a uma forte gestão macroeconômica". A analista de crédito Lisa Schineller diz na nota que "o forte desempenho da balança comercial em 2004 e 2005 põe em destaque o declínio da necessidade de financiamento externo". Na opinião dela, as vendas externas do Brasil foram ajudadas "por fatores cíclicos favoráveis", mas também refletem "uma melhora estrutural".

A analista acredita que a melhora nas contas do Brasil "deverá favorecer uma estabilidade maior do real. Além disso, disse, o declínio na parcela de dívida indexada ao dólar (13% da dívida interna em agosto de 2004, de 22% em dezembro de 2003) contribui para isolar as contas fiscais do Brasil e sua dívida das flutuações do câmbio. Ela projeta um crescimento da economia este ano de 4% e de 3% em 2005, mas adverte que "o crescimento no investimento permanece em níveis baixos". A nota diz que "a aprovação de uma reforma microeconômica dará mais apoio ao investimento" e defende "o superávit entre de 3% a 4% do PIB para manter a trajetória da dívida numa ladeira para baixo".

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

FINAL
Saiba qual será o final surpreendente de Apocalipse na Record
ENTRETENIMENTO - SAÚDE
Padre Fábio de Melo sofre da síndrome do pânico e fala como administra a doença
NOVELA GLOBAL
'Segundo Sol': Laureta revela para a família de Rosa que ela é prostituta
GOVENO NÃO CUMPRE
Caminhoneiros anunciam nova paralisação, mas trabalhadores de MS não devem participar
RAIVA HUMANA
Morte de turista por raiva humana é confirmada em Ubatuba
NOVELA GLOBAL
Valentim sofre grave acidente de carro
INACEITAVEL
Mãe de jovem morto no Rio: “É um Estado doente que mata criança com roupa de escola”
HAJA CORAÇÃO
Neymar é o autor do gol mais tardio, em tempo normal, de uma Copa na história
COPA DO MUNDO
No sufoco, Brasil supera a Costa Rica e consegue primeira vitória na Copa do Mundo
NOVELA GLOBAL
Segundo Sol: Rosa coloca fim em relação com Ícaro e ele toma atitude