Menu
LIMIT ACADEMIA
domingo, 18 de novembro de 2018
FARMÁCIA_CENTROFARMA_FULL
Busca
SICREDI_FATIMA
Brasil

Acusada de matar babá de 11 anos é julgada no Pará

14 Jun 2007 - 09h35

O segundo julgamento de Roberta Sandreli Rolim, acusada de envolvimento na morte da menina Marielma de Jesus Sampaio, de 11 anos, começou na manhã desta quinta-feira (14) em Belém (PA). É a segunda vez que Roberta enfrenta o júri. Ela já foi condenada a 38 anos de prisão em regime fechado no ano passado, mas teve direito a novo julgamento porque a pena ultrapassou 20 anos.

 

Segundo o processo, Roberta e o marido Ronivaldo Guimarães mataram Marielma, que trabalhava como babá na casa deles. O crime ocorreu em novembro de 2005. A acusação diz que Guimarães teria atacado a criança com um banco de madeira. Roberta o teria auxiliado no crime e, inicialmente, assumiu a autoria do delito. Mas depois ela disse que o marido foi o único autor do assassinato.

Guimarães já foi condenado a 52 anos de prisão. O primeiro jugamento ocorreu em 2006. Em maio deste ano, ele passou por novo júri e a pena foi confirmada.

 Repercussão internacional

O crime teve repercussão internacional e foi denunciado na Organização Internacional do Trabalho (OIT). Marielma era filha de lavradores e foi entregue pela mãe ao casal, para estudar e trabalhar de babá. Em troca do trabalho, a família receberia, mensalmente, uma cesta de alimentos.

 

O laudo sobre as causas da morte da menina aponta que ela teve fraturas no crânio, nas costelas, pulmões perfurados, ruptura do baço e dos rins, queimaduras e marcas de choque elétrico. Os exames também comprovaram que a babá foi vítima de abuso sexual.
 

 Acusação e defesa

O promotor de Justiça Paulo Guilherme Godinho vai sustentar a tese do homicídio quadruplamente qualificado. Godinho está à frente da acusação desde o oferecimento da denúncia e participou do primeiro julgamento de Roberta, realizado em 11 de agosto de 2006.

O representante do Ministério Público deve atuar em conjunto com advogados de entidades de defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente e dos Direitos Humanos que acompanham o caso.

O advogado Dorivaldo Belém defende a ré. Caso mantenha a mesma tese do júri anterior, o defensor vai sustentar a inocência da cliente e tentar convencer os sete jurados de que a mulher era também vítima do marido. De acordo com a tese do advogado, Roberta não denunciou o marido por temer pela própria segurança e da filha.

 

 

G1

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVO GOVERNO
Desistência de general para ministério leva crise ao QG de Bolsonaro
ASSASSINATO
Câmeras flagram dupla efetuando mais de 30 tiros contra homem; veja o vídeo
TRISTEZA
Menino de 10 anos comete suicídio após a prisão do pai
MALDADE
Câmera de segurança flagra homem colocando fogo em casinha comunitária para cachorros
FATIMASSULENSES EM UBATUBA (SP)
Fatimassulenses, alunos do Vicente Pallotti fazem curso de biodiversidade marinha em Ubatuba (SP)
NOVELA GLOBAL
'O sétimo guardião': Gabriel se declara para Luz e os dois se beijam
MULHERES TEM QUE DENUNCIAR
Jovem posta foto com rosto inchado para denunciar agressão do namorado
ENCONTRO DE GOVERNADORES
Em encontro de governadores com Bolsonaro, Reinaldo defende fronteira e reajuste da tabela SUS
VIOLENCIA DOMESTICA
Homem é esfaqueado por esposa que tem ciumes até da sombra
ENTROU ATIRANDO
VÍDEO: Pastor é baleado no altar durante o culto