Menu
LIMIT ACADEMIA
terça, 25 de setembro de 2018
SADER_FULL
Busca
ITALÍNEA
Brasil

Acordo enterra Conselho Federal de Jornalismo

9 Dez 2004 - 10h21
Um acordo patrocinado pelo presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), com os líderes dos partidos aliados e de oposição prevê a derrubada do projeto de lei que cria o Conselho Federal de Jornalismo (CFJ) e os Conselhos Regionais de Jornalismo (CRJs). Enviado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no início de agosto, a proposta tem por objetivo fiscalizar o exercício da profissão de jornalista, mas foi mal recebida no Congresso tanto por governistas quanto por oposicionistas.

Pelo acordo firmado com os parlamentares, o projeto será votado e rejeitado na Câmara, logo depois que for apreciada a nova Lei de Falências e seis medidas provisórias que estão trancando a pauta do plenário da Casa. "O Palácio do Planalto viu que não tem jeito e concordou com a derrubada da proposta", disse ontem o líder do governo na Câmara, deputado Professor Luizinho (PT-SP).

Para conseguir limpar a pauta da Câmara, João Paulo negociou com os líderes da base aliada e da oposição a rejeição. Foi a condição imposta pelos parlamentares para concordar em destrancar a pauta do plenário da Câmara, repleta de medidas provisórias à espera de apreciação.

Mas desde o início, quando a proposta foi enviada ao Congresso, o presidente João Paulo se posicionou contra o Conselho Federal de Jornalismo. O PFL e o PSDB também exigiram a inclusão do projeto na pauta da Câmara para que pudesse ser derrubado o mais rápido possível. Com isso, os oposicionistas quiseram ter a garantia de que a proposta será enterrada de vez, sem chances de ser posta em votação no futuro.

A idéia era derrubar o projeto ontem à noite. Mas as votações no plenário na Câmara emperraram na apreciação da medida provisória que dá isenção de PIS/Confins. A sessão acabou por falta de quórum e as votações só deverão ser retomadas na semana que vem.

Na exposição de motivos que acompanha o projeto do Conselho Federal de Jornalismo, o ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, lembrou que atualmente não há nenhuma instituição competente para normatizar, fiscalizar e punir as condutas inadequadas dos jornalistas. O projeto prevê punições para os jornalistas que cometerem irregularidades, que poderão ser advertência, multa, censura, suspensão do registro profissional, por até 30 dias, e cassação definitiva do registro. O projeto estabelece que caberá aos conselhos "orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de jornalismo e a atividade de jornalismo, zelar pela fiel observância dos princípios de ética e disciplina da classe em todo o território nacional, bem como pugnar pelo direito à livre informação plural e pelo aperfeiçoamento do jornalismo". Entre as atribuições dos conselhos está a fixação de normas sobre a obrigatoriedade de indicação do jornalista responsável por material de conteúdo jornalístico publicado ou veiculado em qualquer meio de comunicação.

 

 

Estadão

Deixe seu Comentário

Leia Também

FATALIDADE
Adolescente sai para jogar futebol com amigos e morre afogado
NOVELA GLOBAL
Em 'Segundo sol', Maura fala sobre transar com homem: 'Detestei'
CORRIDA SUCESSÓRIA
Ibope mostra Bolsonaro estagnado com 28% e Haddad cresce 3 pontos e vai a 22%
FUTEBOL
Pela sexta vez Marta é eleita a melhor jogadora do mundo
FUGA FRACASSADA
Tentativa de fuga termina com agente de cadeia e detentos feridos
ASSASSINATO
Por quebrar "pacto de sangue" homem é assassinado juntamente com amigo
NOVELA GLOBAL
'Segundo sol': Mistérios sobre passado de Karola começam a ser revelados
CORRIDA PRESIDENCIAL
Haddad continua disparada em pesquisa do BTG e se consolida no 2º turno
CASAL BRUMAR
Bruna Marquezine e Maraina Ruy Barbosa se afastam e climão na Itália alerta internautas
MARIA DA PENHA
Após deixar hospital, mulher esfaqueada pelo ex diz: 'Não deixe passar em vão'