Menu
LIMIT ACADEMIA
sábado, 23 de fevereiro de 2019
SADER_FULL
Busca
CONTAINER
Brasil

97% das negociações salariais deram aumento real

17 Ago 2007 - 16h49

A melhora nas condições macroeconômicas do país e a maior base de funcionários sindicalizados permitiram que as negociações salariais do primeiro semestre deste ano tivessem saldo positivo, apontou nesta sexta-feira um estudo do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Segundo o órgão, 97,1% das 280 negociações de categorias de trabalho privadas da indústria, do comércio e do setor de serviços tiveram como resultado um reajuste igual ou superior à variação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) no mês da data-base de cada categoria.

No mesmo período do ano passado, este índice tinha sido de 95,6%. Já o índice dos que tiveram aumento real nos salários teve um acréscimo mais significativo. No primeiro semestre ficou em 87,5%, contra 81,9% do ano passado.

A análise destes números só leva em conta o salário base, excluindo do cálculo outros benefícios como PLR (Participação nos Lucros e Resultados), vales e outros.

Para diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, quatro fatores foram decisivos para o resultado: o crescimento constante da economia, o maior planejamento de longo prazo das empresas, a queda nos níveis de desemprego e o ambiente mais propicio de negociação causado pelos índices de inflação mais baixos.

"A economia vêm crescendo, mesmo que em patamares baixos. Mas agora é constante, ao contrário de antes, que havia paradas e até retração. Neste ambiente, é possível as empresas terem maiores condições de se planejar, o que leva ao aumento das contratações", disse. 'Com isso, há a queda do desemprego numa constante desde 2004".

Ao fim da cadeia, há a revalorização das negociações sindicais, reforçada pelo maior número de empregados com carteira assinada e sindicalizados.

Indústria lidera

Entre os setores produtivos, a indústria foi a que teve o melhor desempenho. 92,8% das negociações terminaram em reajuste acima do INPC, e apenas 0,9% abaixo. No setor de serviços 84,8% deram saldo positivo, e no comércio o índice foi de 81,8%.

Segundo o supervisor do escritório regional de São Paulo do Dieese, José Silvestre, a indústria é mais sensível às condições macroeconômicas, e por isso consegue um resultado mais positivo. "A indústria é o carro-chefe da economia e puxa a atividade econômica", disse.

Para ele, uma prova disso é que nos anos de 1999 e 2003 quando a análise atingiu seus piores índices --a indústria foi o setor com o desempenho mais fraco.

Para o segundo semestre, os sindicalistas apostam numa manutenção do bom desempenho das negociações salariais. Setores importantes da economia, como os bancários, metalúrgicos, comerciários, petroleiros e químicos, possuem suas respectivas datas-base nesta época do ano.

"Vemos uma tendência de reforçar os acordos nacionais, o que favorece a negociação", explicou o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Luiz Cláudio Marcolino. "A tendência é do ganho melhorar com a ação unitária", disse o presidente da Força Sindical, João Carlos Gonçalves (Juruna).

Folha Online

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDOFILIA
Babá de 15 anos recebia dinheiro para ter relações com patrão
PREOCUPANTE
Mineradora declara situação de emergência em barragem de Araxá
INTOLERANCIA RELIGIOSA
Delegado solicita ida à casa do 'BBB 19' para interrogar Paula, investigada por intolerância
RESUMO DAS NOVELAS
Mercedes convoca Murilo para uma conversa
CORTE CEGO
Megaoperação da PM em 18 bairros tem três mortos e cinco feridos
PERSISTÊNCIA
Ex-faxineiro se forma em Jornalismo e já está empregado
O QUE IMPORTA PARA VOCÊ?
Equipe médica leva paciente de UTI à formatura do filho
INDIGNAÇÃO
Pedreiro desafia Rodrigo Maia: 'Trabalhe 30 dias numa obra, que trabalho até os 80'
AMOR INCONDICIONAL
Cadela espera toda noite pela chegada de Boechat, diz mulher do jornalista
VIOLENCIA DOMESTICA
Reconstrução de rosto de mulher espancada na Barra vai durar seis meses, diz médico